Sign In
Início do conteúdo
​​​​
​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​Home

Notícias​

​​​ ​

Feriadão da Semana Santa pede cuidado nas estradas

Publicado em quarta-feira, 28 de março de 2018

Em 2017, foram pagas 2.614 indenizações de quinta-feira até o domingo de Páscoa

Feriado é sinônimo de maior fluxo de veículos nas ruas e estradas. Com isso, aumentam também as chances de acidentes. O cuidado deve ser redobrado. O relatório da Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT, mostra que, em 2017, foram pagas 2.614 indenizações relativas a acidentes ocorridos entre a quinta-feira e o domingo de Páscoa.

O Seguro DPVAT prevê três tipos de cobertura: morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médicas e hospitalares. Historicamente, invalidez é a cobertura mais frequente no feriado. Para se ter ideia, do total pago, 1.826 foram para casos de invalidez permanente.

Durante a Semana Santa, a região Nordeste também se destaca pelo maior número de ocorrências. Em 2017, os estados nordestinos foram responsáveis por 33% das indenizações. Outro dado relevante é em relação à faixa etária das vítimas. A maior incidência de acidentes registrados no mesmo período foi com pessoas entre 18 e 34 anos, o equivalente a 53% das ocorrências. Ainda de acordo com os dados, a maioria dos acidentes aconteceu no período do anoitecer (26% das ocorrências).

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocupa o quinto lugar no ranking de países com maior índice de acidentes de trânsito em todo o mundo. A Polícia Rodoviária Federal, nos quatro dias da Operação Semana Santa, em 2017, registrou 1.091 acidentes, 82 mortos e 1.107 feridos em rodovias federais no país. O resultado preliminar representa uma redução de 16% no número de acidentes, 13% nos feridos e 1% no número de mortos em comparação com 2016.

De acordo com a PRF, mais de 40% das mortes ocorreram no último dia do feriado, justamente no momento de retorno das famílias aos seus lares. A Polícia Rodoviária Federal, que fiscaliza os 71 mil km de rodovias federais do país, há cinco anos tem mapeado os locais mais passivos de acidentes, aumentando o número de policiamento e radares móveis nestas regiões.


​​​ ​

​Mais notícias​

​​