Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo
  • Redução de velocidade em vias urbanas é uma das saídas para poupar vidas no trânsito

    Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

    A alta velocidade máxima de vias pode ser considerada por muitos motoristas como garantia de maior fluidez ao trânsito. No entanto, quando o assunto é salvar vidas, os elevados limites representam grande risco, seja para ciclistas, pedestres e, inclusive, para os condutores. Por isso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou, recentemente, que a velocidade em vias urbanas seja de 50 quilômetros por hora (km/h), entre outras medidas. O objetivo é tentar diminuir o número de óbitos causados por acidentes com veículos.

    De acordo com um relatório divulgado em 2015 pela OMS, uma pessoa atingida por um carro a 80 km/h tem quase 60% de chances de morrer, enquanto com a redução proposta, os riscos são menores que 20%. Em todo o mundo, 59 países já aderiram a essa tendência, apontada também pela entidade como uma das formas para melhorar a qualidade do ar e, ao contrário do que se imagina, dar mais fluxo ao trânsito.

    No Brasil, algumas cidades adotaram o limite seguro de velocidade, como São Paulo, que estipulou 60 km/h para as marginais e 50 km/h nas avenidas, e Curitiba e Goiânia, com 40 km/h nos centros. Na capital paulista, por exemplo, no último ano houve queda de 20,6% no número de mortes em acidentes automobilísticos, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), registrando pela primeira vez em 10 anos menos de mil óbitos.

    O que vale mais no trânsito: correr para chegar ao destino ou chegar no destino com vida? Lembre-se que dirigir em alta velocidade representa um dos maiores riscos para acidentes com mortes.