Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo
  • Defeito de fabricação coloca em risco até quem não tem carro

    No caso da indústria automobilística, montadora ou importadora, recall é quando proprietários de determinados veículos são convocados para que seja feita a checagem de um defeito grave que coloca em risco a vida dos ocupantes do veículo e demais pessoas. São defeitos do sistema de direção, freio, suspensão, motores que desligam inesperadamente e carros que aceleram sozinhos, entre outros.

    Há poucos dias, uma matéria publicada pelo jornal Extra, do Rio de Janeiro, alertava que 56% dos proprietários de veículos com airbag da marca Takata não compareceram às concessionárias para fazer o devido reparo. Isto significa, só no Brasil, dois milhões de veículos circulando com risco de que o sistema abra inesperadamente, causando acidentes.

    Lembramos, então, do livro, publicado há mais de 15 anos, intitulado “Recall: o que as montadoras não contam”, quando identificamos que, pelo menos 4 milhões de carros circulavam com defeito por não aderirem aos recalls. Na média, cerca de 50% dos proprietários não atendem à convocação. Em parte, por desleixo, porque tomam ciência, mas não levam o veículo na concessionária. Mas, na maioria dos casos, os proprietários sequer sabem que há um defeito grave. Os anúncios feitos pelas montadoras são limitados a poucos veículos de comunicação, apenas para atender ao código de defesa do consumidor.

    Entretanto, o defeito de fabricação de um veículo não é apenas uma questão de consumo que envolve o risco de outras pessoas que circulam pelas ruas e estradas. Quando um ônibus tem um defeito grave, passageiros e demais usuários das vias não tem nenhuma relação de consumo com o fabricante ou concessionária que vendeu o veículo. Porém, podem morrer por causa do defeito.

    Ciente de que há muito o que corrigir nos comunicados recall, no índice de comparecimento dos proprietários, além de investigações necessárias para identificar os defeitos graves, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) está trabalhando para aperfeiçoar esse sistema, ao menos de veículos e autopeças. Portanto, façam o recall sempre que necessário. Afinal, se dois milhões de proprietários não comparecem a convocação para a revisão de um item tão importante, que é o airbag, a situação é inaceitável. Recall é, acima de tudo, questão de segurança no trânsito.

    Gostou do artigo? Clique aqui para conhecer o site do SOS Estradas, um programa que visa reduzir os acidentes e aumentar a segurança nas rodovias.