Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo
  • Motoristas sob os efeitos de drogas precisam ser contidos

    Motoristas sob os efeitos de drogas precisam ser contidos

    Desde que o exame toxicológico de larga janela começou a ser exigido para motoristas profissionais em 2016, o Brasil passou a contar com uma nova arma para desestimular o consumo de drogas. Nos dois primeiros anos de aplicação do exame, dois milhões de motoristas somente das categorias C, D e E, habilitados a dirigir vans, ônibus e caminhões, deixaram de renovar a carteira de habilitação, em grande parte, por serem usuários de drogas. Para voltar a dirigir precisam comprovar que deixaram o vício.

    O teste, chamado de “exame do cabelo”, detecta o uso regular de drogas nos últimos 90 dias. Por isso, motoristas que consomem entorpecentes constantemente, evitam a realização do exame. No caso dos profissionais, o uso de substâncias ilícitas é comum para suportar as longas jornadas, reflexo da exploração da categoria. Além desses 2 milhões que não renovaram a CNH, mais de 100 mil fizeram o teste e foram flagrados. O resultado é que caíram os acidentes nas rodovias e áreas urbanas envolvendo veículos pesados, especialmente porque o número de motoristas de ônibus e caminhões dirigindo sob efeitos de substâncias psicoativas diminuiu. No caso dos ônibus, isso significa mais segurança para milhares de brasileiros que usam o transporte público diariamente.

    Entretanto, uma matéria veiculada em uma das maiores emissoras do país revelou outro grupo de usuários que não tinham sido flagrados até hoje: os taxistas. Como Porto Alegre passou a exigir o exame toxicológico desses profissionais, muitos deixaram de apresentar o teste e perderam a autorização de transportar passageiros. Alguns falsificaram documentos, apresentando exame negativo de outros motoristas. As autoridades descobriram, mas o caso confirmou que taxistas em todo o país deveriam passar pelo mesmo controle, pois fazem transporte público. Assim como os mototaxistas e até mesmo os motofretistas.

    As drogas estão cada vez mais presentes na sociedade, mas são e serão sempre incompatíveis com a direção segura.