Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo
  • A vida sobre duas rodas também merece respeito

    A morte de um engenheiro em Belo Horizonte, que deixou dois filhos e sofreu traumatismo craniano após queda enquanto conduzia um patinete elétrico, é mais um alerta para a sociedade sobre os riscos da proliferação dos transportes alternativos em duas rodas, sem o uso de equipamentos de segurança e regulamentação mínima. Somente na capital mineira, já foram atendidas mais de 100 pessoas após acidentes envolvendo patinetes.

    Outras ocorrências vêm se multiplicando com usuários em suas velozes e pesadas bicicletas elétricas em todo país. Sem falar em ciclistas que transportam refeições e outros produtos em enormes mochilas. No Rio de Janeiro, são milhares de jovens que circulam sem nenhum respeito às normas de trânsito em bicicletas improvisadas, a serviço de empresas de entrega. Trafegam no meio dos veículos, na contramão, invadem calçadas, naturalmente sem nenhum treinamento e/ou capacete. Colocam suas vidas em risco e, muitas vezes, dos pedestres.

    Tudo isso amplia o leque de vítimas de acidentes sobre duas rodas. Nos últimos dez anos, o Seguro DPVAT pagou 3,2 milhões de indenizações por ocorrências envolvendo motocicletas e ciclomotores. Deste total, quase 200 mil pessoas morreram e 2,5 milhões ficaram com algum tipo de invalidez permanente. Os números ainda mostram que, na última década, os benefícios destinados a vítimas de acidentes com motos e as “cinquentinhas” representam cerca de 72% do total de pagamentos efetuados pelo seguro obrigatório (4,5 milhões). Entre 2009 e 2018, as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT cresceram 28%.

    São dados que não podem mais ser ignorados pelas autoridades e sociedade. Estamos há décadas patinando na adoção de medidas para evitar acidentes com veículos em duas rodas. Enquanto protelamos, as pessoas morrem ou ficam com sequelas. Decisões eficientes precisam ser tomadas para evitar que pessoas circulem em veículos de duas rodas sem respeitar normas rígidas de trânsito e segurança.