Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo

Arquivos mensais: Outubro 2017

No RJ, boleto do Seguro DPVAT será emitido no site da Seguradora Líder

Desde o dia 24 de outubro, a nova Lei Estadual 7.718/2017 permite aos proprietários de veículos automotores do Estado do Rio de Janeiro o agendamento da vistoria do Detran, sem necessidade do pagamento do IPVA. No entanto, para o agendamento do licenciamento anual e a emissão do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), o cidadão precisa fazer o pagamento do DPVAT, o Seguro de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre. Por conta da mudança trazida pela nova Lei, o boleto referente ao Seguro DPVAT deverá ser gerado diretamente no site da Seguradora Líder-DPVAT neste link.

A emissão está disponível para todas as categorias de veículos: automóveis, (particulares e de aluguel), ônibus, micro-ônibus, vans, ciclomotores, motocicletas, caminhões e pick-ups. Somente após o pagamento das taxas do Detran, do Seguro DPVAT e das multas, o cidadão deverá fazer o agendamento do seu serviço no site do Detran. Como já são realizadas atualmente, as marcações são feitas após a compensação do pagamento do serviço.

Abaixo, a gente preparou algumas perguntas e respostas com eventuais dúvidas que possam surgir. Confira!

- Como o proprietário do veículo saberá qual a data limite para o pagamento do Seguro DPVAT?

Não há data limite e o pagamento pode ser realizado a qualquer momento. Na guia de arrecadação do DPVAT constam informações sobre pagamentos feitos após a data de vencimento do Seguro, que é coincidente com a primeira cota ou a cota única do IPVA, ou até o licenciamento, no caso de veículos isentos do referido imposto. Todas essas regras estão regulamentadas na Resolução CNSP nº 332/2015.

- O que vai mudar na hora de quitar o Seguro DPVAT para o proprietário de veículo automotor?

Antes, para os proprietários das categorias 1, 2 e 10 (automóveis, particular e de aluguel, caminhões e pick-ups), a cobrança do Seguro DPVAT já estava incluída na Guia de Recolhimento de Débitos (GRD), emitida através do site do Banco Bradesco. Agora, o DPVAT deverá ser quitado separadamente, através de guia gerada no nosso site. É importante reforçar, ainda, que a quitação do DPVAT do exercício atual e anterior continua a ser exigência para o agendamento e a renovação do licenciamento anual e da respectiva emissão do CRLV.

- Quanto tempo demora para o pagamento ser processado?

O pagamento é processado e a informação da baixa do pagamento enviada para o DETRAN-RJ geralmente em até 48 horas, dependendo do banco arrecadador.

Vale lembrar que esta pequena mudança está valendo apenas no Rio de Janeiro. Nos outros estados, continua tudo igualzinho. Para saber quanto, quando e onde pagar nas demais regiões, clique aqui.

Se você tiver qualquer outra dúvida, a gente responde aqui nos comentários, ok?!

Continuar lendo

Nosso comportamento no trânsito revela o país que queremos

Nos últimos anos, diversas investigações da Justiça revelaram apenas a ponta do iceberg da corrupção. Muitas vezes, avaliamos que o comportamento do povo de um país no trânsito revela que tipo de sociedade impera e como são os políticos daquela nação. Quanto mais respeito no trânsito, menos corrupção.

Em qualquer grande cidade brasileira, assistimos diariamente representantes da elite levando os seus filhos para a escola. A maioria dessas escolas são particulares. Muitos deles param em locais onde não é permitido e outros, em fila dupla, como se tivessem mais direitos do que os outros. Essa postura, muitas vezes, passa dos pais para seus filhos, porque eles são os exemplos que conhecem e tem muita semelhança com o comportamento de muitos políticos e agentes públicos no Brasil.

Nas estradas, muitos motoristas ainda respeitam as normas, mas outros trafegam pelo acostamento, ultrapassam em local proibido, conduzem em excesso de velocidade e depois exibem todas essas infrações com orgulho em redes sociais como o Facebook, por exemplo. Talvez seja por pura exibição, mas com certeza, também pela convicção da impunidade, algo que é bastante frequente no setor público, seja no Executivo como no Legislativo.

Nas cidades, o processo é similar. Pessoas atravessam fora da faixa de pedestres e não esperam o sinal abrir para realizar a travessia. A justificativa? A pressa, ou seja, a minha necessidade de chegar logo do outro lado é mais importante do que respeitar as leis. Quando falo isso, lembro do meu velho pai que, já bem idoso, quando atravessava a rua na faixa e com sinal fechado para o trânsito me alertava sobre os motoristas, brincando: “Rápido, eles já nos viram!”. Era um jeito bem-humorado de lembrar que o homem atrás do volante, com o poder nas mãos, costuma esquecer rapidamente que, no trânsito, assim como na vida, somos todos pedestres.

Outro exemplo são os motociclistas, que exigem respeito dos demais motoristas, mas trafegam em alta velocidade no corredor e ficam extremamente irritados quando alguém não os vê. Muitos deles não pagam o Seguro DPVAT, apesar dos acidentes que os envolvem consumirem mais de 70% das indenizações. Queremos direitos, mas não aceitamos deveres. Esse é o lema.

Quando somos multados, normalmente vociferamos contra a chamada “indústria da multa”, criticamos o abuso das autoridades e sempre procuramos um jeito de justificar nossa infração. Os políticos também fazem isso: quando flagrados pela Justiça, negam tudo e ainda acusam quem os pune. Por isso, temos tantos parlamentares infratores dispostos a aprovar leis para não punir os que cometem crimes no trânsito, assim como pessoas dispostas a corromper um guarda para não ser multado.

Uma sociedade que atravessa na faixa, não ultrapassa em local proibido, não trafega pelo acostamento e não suborna agentes de trânsito, com certeza, vive num país com menos corrupção e desigualdades. Nosso comportamento no trânsito revela o tipo de país que queremos. Então, qual o Brasil que queremos?

Gostou do artigo? Clique aqui para conhecer o site do SOS Estradas, um programa que visa reduzir os acidentes e aumentar a segurança nas rodovias.

Continuar lendo

Cinco curiosidades sobre a Seguradora Líder-DPVAT #Parte2

A Seguradora Líder-DPVAT é responsável pela gestão do Seguro DPVAT, um seguro de cunho social que cobre todas as pessoas em território nacional em casos de acidente de trânsito. A gente sabe que uma operação que cuida de mais de 200 milhões de brasileiros em mais de 5 mil municípios tem características no mínimo curiosas, não é mesmo? Para você ficar por dentro do universo do Seguro DPVAT, preparamos mais uma série de curiosidades da Seguradora Líder-DPVAT. Confere aí!

 1) É obrigatório, mas não é imposto!

O Seguro DPVAT é pago anualmente por todos os proprietários de veículos automotivos (carros, motos, ciclomotores, ônibus, van e caminhão). Por ter uma forte característica social, e ser obrigatório, muita gente confunde com um tributo. Mas não é. Existem diversos modelos de seguros no Brasil, como o de condomínio, trem e barco, que são obrigatórios e privados, mas não se tratam de tributos. O Seguro DPVAT também é assim.

2) Ajuda o Brasil

Metade do que é arrecadado anualmente pela Seguradora Líder-DPVAT com o Seguro DPVAT vai diretamente para o Governo Federal. Desse repasse, 45% é destinado ao Sistema Único de Saúde, para custear atendimento às vítimas de trânsito, e 5% ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) para ações educativas com foco na prevenção de acidentes. A outra metade é administrada pela Seguradora Líder-DPVAT para o pagamento das indenizações às vítimas.

3) Se atrasar o pagamento, não tem multa, mas...

Os proprietários de veículos automotores que pagam o Seguro DPVAT fora do prazo, que em alguns Estados, é o mesmo do vencimento do IPVA para cada placa, não pagam multa. No entanto, o único caso de acidente de trânsito que o Seguro DPVAT não cobre é quando o proprietário de veículo está inadimplente e sofre um acidente na condução do seu veículo. Neste caso, todas as outras vítimas envolvidas (passageiros, outros motoristas e pedestres) continuam cobertas.

4) Cuidado com a hora do congestionamento

Segundo o Centro de Estatística da Seguradora Líder-DPVAT (sim, há um setor dedicado à análise das estatísticas de pagamento de indenização), as horas compreendidas entre 13h e 20h correspondem a 45% dos acidentes de trânsito em todo o Brasil. Durante esse período, é bom redobrar os cuidados. ;)

5) Tanque de guerra

Para conscientizar as pessoas sobre a importância do bom comportamento no trânsito, a Seguradora Líder-DPVAT já colocou até um tanque de guerra nas ruas de Curitiba (PR). Essa ação foi muito legal e você pode conferir aqui.

Tem mais alguma curiosidade que você queira saber? Compartilha com a gente aqui. Até a próxima!

Continuar lendo

Conheça os mitos que são divulgados sobre o Seguro DPVAT

O Seguro DPVAT é um direito de toda a população brasileira que se acidenta no trânsito. Ele auxilia os acidentados em casos de reembolso de despesas médicas, invalidez permanente e morte. Logo, é um seguro extremamente abrangente e capilarizado no Brasil. Imagine a operação necessária para garantir um benefício para 207,7 milhões de habitantes em um país de dimensões continentais como o nosso? É muita responsabilidade!

Por ser um modelo de seguro requerido por muita gente e que apresenta diversas nuances legais, muitas informações incorretas acabam sendo divulgadas sobre o DPVAT em veículos de comunicação. Este é o nosso tema de hoje no blog. Preparamos para você uma lista dos mitos publicados com mais frequência por aí, que acabam provocando confusão e dúvida nas pessoas. Quer ficar bem informado? Confere só!

MITO: O modelo de gestão do Seguro DPVAT é um monopólio privado no país. 

REALIDADE: O sistema de gestão do Seguro DPVAT não é um monopólio. Até porque qualquer seguradora autorizada a operar no país, no segmento de seguros de danos e/ou pessoas, pode aderir ao Consórcio. Trata-se de um modelo de administração centralizada, que garante atendimento adequado e agilidade no pagamento de indenizações às vítimas de acidentes de trânsito, facilitando seu controle, acompanhamento e fiscalização. Sua implantação reduziu a inadimplência, elevou o número de pontos de atendimento em todo o país e reduziu custos, além disso, vem garantindo o cumprimento da finalidade social do Seguro DPVAT.

MITO: O modelo de livre escolha, com venda de seguros intermediada por corretores, é o mais adequado. 

REALIDADE: O modelo de livre escolha já foi adotado anteriormente, sem sucesso, devido ao elevado nível de inadimplência, que, na prática, desconstrói a finalidade social e o caráter universal do Seguro DPVAT. No período em que vigorou – de 1974, data de criação do DPVAT, até 1986 –, a inadimplência alcançou mais de 60%, praticamente inviabilizando o Seguro.

MITO: As altas despesas administrativas da Seguradora Líder-DPVAT fazem com que o valor a ser pago seja maior pela população e o da indenização menor. 

REALIDADE: O valor do prêmio do Seguro DPVAT, fixado pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP, autarquia federal ligada ao Ministério da Fazenda), não recebe reajuste no valor do prêmio desde 2013. Pelo contrário: em 2017, esse valor foi reduzido em 37%. Para que o valor da indenização paga aos beneficiários do Seguro DPVAT aumente, é necessária uma atualização da Lei Nº 6.194, de 1974, que deve ser feita pelo Poder Legislativo.

MITO: Uma moto de 100 cilindradas deveria pagar menos do que uma de 300 cilindradas. 

REALIDADE:  O valor do prêmio do Seguro DPVAT – que é pago pelo proprietário de veículo automotor – é definido de acordo com o índice de sinistralidade de cada veículo e não pela sua potência. Neste caso, o valor da moto é superior aos dos demais veículos porque esta gera mais acidentes – corresponde a 75% das indenizações, para sermos mais exatos. Se a lógica para formação de preço funcionasse dessa maneira, um carro 1.0 pagaria menos do que um 2.0, não é mesmo?

MITO: O dinheiro arrecadado com o Seguro DPVAT é destinado à manutenção de rodovias e estradas. 

REALIDADE: Por lei, do total dos recursos arrecadados pelo Seguro DPVAT, 45% são repassados ao Ministério da Saúde (SUS), para custeio do atendimento médico-hospitalar às vítimas de acidentes de trânsito em todo país. Outros 5% são repassados ao Denatran, para aplicação exclusiva em programas destinados à prevenção de acidentes de trânsito. Os outros 50%, administrados pela Seguradora Líder-DPVAT, são destinados ao pagamento das indenizações.

Sabe de mais algum mito que rola por aí? Então conta pra gente aqui nos comentários! :)

Continuar lendo

Acenda uma luz para a vida nas estradas

Está completando 1 ano da aplicação da chamada “Lei dos Faróis”, que tornou obrigatório o uso de faróis com luz baixa sempre que o condutor estiver na estrada, inclusive durante o dia.

Muitos países já adotaram a medida. A NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration), órgão americano responsável pela segurança viária, realizou um estudo que comprovou que acender os faróis de dia reduz em 5% as colisões entre carros e em 12% os acidentes envolvendo pedestres e ciclistas.

Os países com clima frio já trazem resultados expressivos sobre o uso de faróis. Na Suécia, por exemplo, as colisões caíram 11% e, na Dinamarca e na Hungria, 8%.

Essa medida se torna ainda mais importante nos veículos de cores escuras, naturalmente difíceis de se perceber nas estradas porque se confundem com o próprio asfalto. Especialmente nestes veículos, os faróis acesos ajudam outros motoristas a perceber quem está vindo no sentido contrário, assim como auxiliam os pedestres e ciclistas a visualizar a presença do veículo com maior antecedência.

Dirigir com os faróis desligados na rodovia é uma infração média, com multa de R$ 130,16 e perda de quatro pontos na carteira. Naturalmente, essa infração ou qualquer outra norma que puna com multa, encontra a resistência de uma boa parcela dos condutores. O mesmo aconteceu com as faixas refletivas obrigatórias nos caminhões e ônibus, com o cinto de segurança, mas hoje seu uso é defendido por quase todas as pessoas.

O resultado prático é que esse tipo de medida, sem custo para a sociedade, permite reduzir os acidentes, mortos, feridos, despesas no sistema de saúde, previdência e até mesmo a necessidade de pagar indenizações para vítimas pelo Seguro DPVAT.

Portanto, como dizia uma campanha da Polícia Rodoviária Federal, acenda uma luz pela vida: ligue os faróis nas estradas mesmo de dia.

Gostou do artigo? Clique aqui para conhecer o site do SOS Estradas, um programa que visa reduzir os acidentes e aumentar a segurança nas rodovias.

Continuar lendo

Vai viajar com seu pet? Se liga nas dicas de segurança!

Falta pouco mais de dois meses para o fim do ano e chegou a hora de programar aquela viagem bacana. Nela, não pode faltar ninguém, muito menos os amados bichinhos de estimação, não é? Mas, assim como nós, os pets também precisam de proteção para seguirem seguros no trânsito. Por isso, foram criadas leis específicas para definir o que pode e o que não pode no transporte de animais em veículos automotores. O artigo 169 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), por exemplo, determina multa de R$ 53,20 e três pontos na carteira para animais com a cabeça para fora da janela. Já os motoristas com animais no colo ou no banco do carona podem receber multa no valor de R$ 85,13. Para você ficar por dentro, queremos te apresentar outras regras:

Automóveis

No carro, seja na estrada ou em trajetos curtos, os animais não podem andar soltos. Hoje em dia, existem vários modelos e marcas de adaptadores de cinto de segurança veicular para cães. Trata-se de um extensor de nylon para encaixar no cinto do carro, que tem uma fivela universal de ferro e regulagem. É ótimo para cães grandes. Para os animais de até 10 quilos, existem os assentos que ficam presos aos cintos de segurança do carro e o cão fica com uma coleira peitoral anexada ao equipamento.

Para os gatos, a melhor opção é a caixa de transporte, pois, geralmente, eles se sentem mais confortáveis em um local reservado só para eles. Um ponto de atenção para a caixa é que ela não deve ser muito grande, nem muito pequena. Se sobrar muito espaço, em caso de acidente, certamente, o animal vai se machucar mais.

Sobre as motos, vale dizer que o transporte de animais além de ser proibido, é muito perigoso, certo?!

Ônibus de viagem

Nos ônibus, as regras são as mesmas, mas os donos devem se atentar também para as normas de cada companhia. O animal, seja ele qual for, não pode viajar solto. São aceitos bichos de até 10 quilos, com atestado de saúde do animal e apresentação da carteira de vacinação em dia. As empresas de ônibus também recomendam que o responsável compre um assento, dessa forma, o animal viaja com conforto e utiliza o cinto de segurança do banco. Outra exigência que algumas empresas fazem é que o bichinho seja tranquilizado com medicamentos prescritos pelo veterinário. Sobre os animais silvestres, quando o transporte é permitido, uma autorização do Ibama é exigida.

Importante lembrar que, no caso dos cães-guias, o embarque deles é sempre permitido e nenhuma taxa extra deve ser cobrada.

Alimentação, paradas e temperatura Outro aspecto que deve ser observado antes de fazer uma viagem com animais domésticos é a alimentação. Para que o animal não enjoe, o ideal é não dar alimento a ele pelo menos três horas antes de pegar a estrada. A hidratação, no entanto, deve ser feita constantemente. As paradas, a cada 60 minutos, são importantes para que o pet faça as necessidades fisiológicas e estique as patinhas. A temperatura do veículo também precisa estar adequada. Então, não hesite em ligar o ar condicionado.

Preparado para seguir viagem com seu pet? Se você tiver alguma outra dica legal de segurança, compartilhe com a gente aqui nos comentários. ;)

Continuar lendo

Por que estar em dia com o Seguro DPVAT

A gente está sempre falando por aqui sobre os benefícios do Seguro DPVAT para quem sofre acidentes de trânsito no Brasil. Através dele, todas as vítimas são assistidas, sem necessidade de apuração da culpa, seja motorista, passageiro ou pedestre. O Seguro oferece cobertura para três naturezas de danos pessoais: reembolso de despesas médicas e hospitalares (até R$ 2.700), invalidez permanente (até R$ 13.500) e morte (R$ 13.500). Mas você já procurou saber sobre a origem desses recursos e como é sua distribuição? Hoje vamos contar para você.

Quem financia o Seguro DPVAT são os proprietários de veículos automotores como carro, táxi, pick-up, motocicleta, motoneta, ônibus, micro-ônibus, van e caminhão através do pagamento anual do seguro. Do total arrecadado, 45% são repassados ao Ministério da Saúde (SUS), para custeio do atendimento médico-hospitalar às vítimas de acidentes de trânsito em todo país. Outros 5% são repassados ao Denatran, para aplicação exclusiva em programas destinados à prevenção de acidentes de trânsito e os 50% restantes são administrados pela Seguradora Líder-DPVAT e garantem o pagamento das indenizações no Brasil.

O que acontece quando o proprietário de veículo automotor não paga o Seguro DPVAT? Além de ficar impedido de fazer o licenciamento do veículo junto ao Detran do Estado, correndo o risco de ter o seu veículo apreendido a qualquer momento por uma autoridade policial, o proprietário fica também sem a cobertura do Seguro DPVAT, caso sofra algum acidente de trânsito na condução do seu automóvel. No entanto, a indenização de outras possíveis vítimas, como passageiros ou pedestres está garantida, ficando só mesmo o motorista circulando com o carro inadimplente sem direito ao benefício. Imagina que situação, não é?

A data de pagamento do Seguro DPVAT segue o calendário do IPVA de cada Estado, que é divulgado pelo Detran, ou seja, a data limite para quitar o Seguro é a mesma que o motorista tem para quitar o IPVA.

Quer saber mais informações sobre o pagamento do Seguro DPVAT? Entre aqui no nosso site e tire suas dúvidas. E lembre-se: se precisar de mais esclarecimentos, fale com a gente aqui nos comentários! ;)

Continuar lendo

Projeto de Lei quer aumentar idade mínima para crianças em moto

A Câmara dos Deputados aprovou, no dia 3 de outubro, um Projeto de Lei que aumenta de 7 para 11 anos a idade mínima para transporte de crianças em motocicletas. Agora, a pauta está em apreciação no Senado Federal. Sendo aprovada pela Casa, a proposta será encaminhada para sanção presidencial quando, de fato, se tornará uma lei.

A PL também torna infração o transporte de criança com idade entre 12 e 16 anos sem usar bota, colete e capacete ou que não tenha condições de cuidar da própria segurança. O texto aprovado também inclui como infração gravíssima a condução de moto sem uso de colete de segurança dotado de alças laterais para apoio do passageiro, durante o transporte de menores de 16 anos.

O transporte de crianças em motocicletas no Brasil é um problema gravíssimo, que pode ser corrigido também a partir de uma conscientização maior da população. Segundo dados da Seguradora Líder-DPVAT, que administra o Seguro DPVAT, 69 crianças de 0 a 7 anos receberam indenização por acidentes com motos de janeiro a setembro deste ano. A grande questão é que, nesta faixa etária, o transporte de crianças é proibido. Com o público de 8 a 17 anos, foram registrados 307 sinistros. Esse dado mostra o quanto uma lei pode ajudar a evitar acidentes, não é mesmo?!

O diretor do Hospital de Urgências de Teresina (HUT), no Piauí, Gilberto Albuquerque, foi recentemente à mídia falar sobre assunto. Lá, o número de acidentes de crianças com motos vem se multiplicando. "Cada dia um número maior de crianças dá entrada no hospital, e elas mesmas estavam pilotando a moto. A própria família esconde a causa do acidente", explicou à Rádio Cidade Verde.

Em nosso último post, listamos alguns cuidados necessários no transporte de crianças em veículos de duas rodas, que você pode conferir aqui.

Você também acha que a idade mínima para crianças em moto deve aumentar? Comente aqui!

Continuar lendo

Quase 400 crianças de até 7 anos foram vítimas de trânsito em agosto

O Dia das crianças está chegando e como o assunto do blog é segurança no trânsito, não poderíamos deixar de falar sobre os pequenos. A notícia é triste, mas vale como alerta: em agosto deste ano, 380 crianças de 0 a 7 anos foram vítimas do trânsito, em casos de reembolso de despesas médicas, invalidez permanente e morte. Os dados estatísticos da Seguradora Líder-DPVAT, que administra o Seguro DPVAT, revelam que na faixa etária subsequente é maior a proporção de acidentes. Entre o público de 8 a 17 anos, foram 1.403 indenizações pagas no período. As duas faixas etárias juntas correspondem a 5% do total de indenizados.

Quando olhamos para os nossos jovens adultos, entre 18 e 24 anos, vemos que foram 8.110 sinistros quitados no período, número que corresponde a 21% do total. Isso é bastante grave, não é mesmo?!

Mas a gente acredita que pode mudar essa estatística disseminando boa informação. Por isso, a lista de dicas de hoje é dedicada à segurança das crianças.

No carro:>>>  Bebês de até um ano de idade devem usar bebê conforto, no banco de trás e virado para trás.

>>> entre um e quatro anos, devem usar cadeirinha.

>>> a partir dos quatro, é obrigatório o uso de assento elevação. Os pequenos devem usá-lo até sete anos e meio.

>>> dos sete anos e meio até os 10 anos, as crianças sentam no banco de trás, com o cinto de segurança do próprio veículo.

>>> Depois de 10 anos, podem sentar na frente com o cinto.

Táxi e carona>>> Em táxis ou em carros de serviço de transporte, a legislação permite que a criança seja levada no colo. Mas os pais podem levar o bebê conforto e a cadeirinha para que percurso seja feito de forma segura para eles.

Na moto>>> Atenção, papais! Crianças com idade inferior a 8 anos não podem ser transportadas em motocicletas.

Se a criança for maior de 8 anos, elas devem:

>>> ser levadas na garupa, atrás do condutor;

>>> usar capacete ajustado ao tamanho da sua cabeça e que seja atestado pelo Inmetro;

>>>  usar jaqueta, calça e um calçado fechado (tênis, sapatos ou botas);

>>>  existem coletes e cintos que prendem as crianças ao condutor das motos. Esse não é um artigo obrigatório, mas pode evitar acidentes em casos de sonolência ou desequilíbrio.

Nos ônibus urbanos>>> O jeito mais seguro de transportar seu bebê em um coletivo urbano é carregando ele no colo.

>>> Dê preferência aos bancos reservados para mães com bebê de colo, idosos, obesos e deficientes físicos.

Nos ônibus intermunicipais ou interestaduais>>> O jeito mais seguro de levar a criança é comprando um assento para ela. Os menores podem ser colocados no bebê conforto preso ao cinto de segurança do banco.

>>> Se a criança for um pouco maior e ocupar um assento, garanta que ela use o cinto de segurança do banco do ônibus.

Continuar lendo

Por que celebrar o Dia Mundial dos Correios?

Para a Seguradora Líder-DPVAT, os Correios são um parceiro estratégico. Por meio de suas agências, os beneficiários do Seguro DPVAT podem dar entrada no pedido de indenização em qualquer município do país. Essa capilaridade e diversidade de serviços oferecidos – postais, logísticos, financeiros e de telecomunicações – tornam os Correios tão especiais e fundamentais para os brasileiros. No caso do Seguro DPVAT, desde 2012, toda a infraestrutura desses parceiros nos ajuda a manter a universalidade do seguro e o acesso facilitado da população aos seus direitos: são mais de 8 mil pontos de atendimento espalhados por todo o país!

Hoje, 9 de outubro, é o Dia Mundial dos Correios. Convidamos você para conhecer como essa instituição ajuda a contar a história do nosso Brasil. Acompanhe a seguir! ;)

Os serviços de telégrafos fazem parte da história do Brasil desde 1500, quando a carta de Pero Vaz de Caminha, que anunciou ao rei de Portugal a descoberta de uma nova terra, foi transportada na nau de Gaspar de Lemos. Pouco se fala, mas esta embarcação também levava outra correspondência muito importante feita pelo Mestre João Fara: o primeiro documento científico sobre nosso país, além de amostras recolhidas aqui. Essa pode ser considerada, de certa forma, a primeira ligação postal entre Brasil e Portugal.

Outra parte importantíssima da história que os Correios ajudaram a contar aconteceu depois que a corte portuguesa chegou ao Brasil. Sob a gestão de D. Pedro II, foram criados os Correios do Brasil e as reformas postais instituíram o pagamento prévio de franquia unificada, o lançamento dos primeiros selos postais, a criação do quadro de carteiros, as caixas de coleta e postais e a distribuição domiciliária de correspondência na Corte e nas províncias. Além disso, foi estabelecido o serviço telegráfico e o Brasil aderiu, por tratados, aos organismos internacionais de telecomunicações recém-criados.

Mas foi em 1822 que Paulo Bregaro, considerado o patrono dos carteiros no Brasil, entregou a D. Pedro I, no dia 7 de setembro, às margens do Riacho do Ipiranga, correspondências informando sobre novas exigências de Portugal com relação ao Brasil. Ao recebê-las, D. Pedro I reagiu às imposições da Corte e declarou a Independência do Brasil, associando assim a atividade de correio a este importante momento histórico do país.

Você sabe de outra participação importante dos Correios na nossa história? Compartilha com a gente aqui nos comentários. ;)

Continuar lendo

Página 1 de 2
12