Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo

Arquivos mensais: Agosto 2019

Embarque na história do primeiro modelo de motocicleta!

Você sabia que, há 134 anos, o primeiro veículo de duas rodas com motor era patenteado pelo alemão Gottlieb Daimler? O blog Viver Seguro no Trânsito te conta um pouco mais sobre a história do veículo que foi o grande precursor do modelo de motocicletas que conhecemos atualmente 😉

Uma viagem no tempo

Tudo começou em 1855, quando Daimler, engenheiro mecânico, usou o dinheiro de uma indenização recebida após uma demissão para montar, na garagem de casa, uma oficina improvisada. Junto com o colega Wilhelm Maybach, trabalhou na criação de um motor movido a gás que tinha 0,5 cavalo de força a 500 rotações por minuto, uma criação que era inédita na época. Porém, Maybach conseguiu desenvolver um flutuador de carburador que permitiu que a gasolina fosse usada como combustível para o funcionamento da peça.

Após alguns testes, o motor começou a dar bons indícios de funcionamento e a partir disso, os dois resolveram adaptar em um veículo. Como uma solução prática para o novo desafio, foi criado um biciclo, com chassis de madeira e roda de apoio, simples e barato. Dessa forma, nascia a primeira ideia de motocicleta!

No dia 29 de agosto, Daimler registrou a invenção no Departamento Imperial de Patentes, com o nome de Einspur. Logo em novembro, o veículo percorreu um caminho de três quilômetros, que separava as cidades de Cannsttat e Unterturkheim, num período de meia hora, comprovando o sucesso da invenção!

Voltando aos dias atuais!

Atualmente, os números envolvendo acidentes com motocicletas e ciclomotores são expressivos. No Brasil, esses veículos correspondem a pouco mais de 27% da frota total, de acordo com o Denatran. Além disso, de acordo com dados apresentados no Relatório de Motocicleta e Ciclomotores – Dez Anos, do Seguro DPVAT, esse tipo de veículo recebeu mais de 3,2 milhões indenizações desde 2009. 😱


Continuar lendo

#BonsExemplos: Colômbia assina pacto para reduzir mortes de crianças

Adoramos compartilhar iniciativas que ajudam a levar mais segurança para o trânsito, seja no Brasil ou no exterior! Neste post da série #BonsExemplos do Blog Viver Seguro no Trânsito, a inspiração é internacional e chega diretamente da Colômbia, que firmou um compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU), para reduzir os números de morte de menores de idade no trânsito do país. Quer saber mais? Fique ligado!

Números positivos

O país já vinha apresentando bons resultados nos esforços de manter os números de acidentes de trânsito envolvendo crianças e adolescentes baixos. Nos primeiros 6 meses deste ano, além de não ter sido contabilizado nenhum acidente envolvendo menores em mais de mil municípios do país, os incidentes envolvendo menores de 15 anos caíram 7,2% em toda a Colômbia, em relação ao mesmo período do ano passado. Quando há comparação dos números totais de vítimas fatais em acidentes de trânsito, houve redução de 2,33%. Bacana né?

Compromisso com o futuro!

Para manter os bons resultados, o governo do país fez o “Pacto por la Seguridad Vial de los Niños, Niñas y Adolescentes de Colômbia”, assinado pela Ministra dos Transportes, Ángela María Orozco; o diretor da Agência Nacional de Segurança de Trãnsito, Luis Lota; e os Ministros da Saúde, Juan Pablo Uribe e da Educação, María Victoria Ângulo. O principal objetivo é priorizar ações de prevenção e educação no trânsito desde a infância, além de se comprometerem em trabalhar para executar planos e políticas que garantam a segurança desses menores, envolvendo desde os pais até as instituições de ensino.

Em Bogotá, maior cidade e capital da Colômbia, foram implementados alguns planos de segurança. O programa Visão Zero, conjunto de iniciativas que visam a redução dos acidentes, tem entre as ações redesenhar vias no entorno de escolas e hospitais e adotar medidas de moderação de tráfego como, por exemplo, lombadas, faixas, maior sinalização e espaço seguro para circulação dos pedestres. Dessa forma, acidentes que eram totalmente evitáveis, começam a ser reduzidos.



Continuar lendo

21 de Agosto - Dia Nacional da Habilitação

Qualquer condutor precisa dela, mas você conhece a história da Carteira Nacional de Habilitação? No Dia Nacional da Habilitação, 21/08, aproveitamos para contar um pouco mais sobre o documento oficial e obrigatório seja para quem pilota moto, dirige carros, caminhões, táxis, ônibus.. Confira abaixo!

Como surgiu a necessidade de documentação para os condutores?

Tudo começou quando o número de veículos circulando pelas ruas foi aumentando e surgiram as primeiras complicações de trânsito. Em 1941, foi estabelecido o primeiro Código Nacional de Trânsito pelo Decreto Lei nº 2.994, que tinha como objetivo organizar a circulação de veículos automotores de qualquer natureza em vias terrestres, abertas a movimentação pública, em qualquer parte do país.

O que é Prontuário Geral Único (PGU)?

O Prontuário Geral Único (PGU) era o número de registro da CNH do modelo antigo, emitido entre janeiro de 1981 e setembro de 1994. Além de não incluir a foto do motorista, o modelo antigo não possuía tantas informações como o atual. Por isso, ele não servia nem como documento de identificação oficial, então para validação era importante que os dois documentos fossem apresentados.

A Carteira Nacional de Habilitação, nos moldes de hoje, foi concebida a partir da Resolução Nº 765, de 1993, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e passou a ser utilizada como documento oficial de identificação por conter fotografia, número da carteira de identidade e CPF, além de valer em todo o território nacional. De lá para cá foram muitas evoluções e a última novidade foi o lançamento da CNH Digital ou e-CNH, como noticiamos em um post anterior do Blog Viver Seguro no Trânsito, possibilitando que os condutores tenham o documento nos smartphones.

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH),com dados completos e foto, pode ser requerida por pessoas maiores de 18 anos, alfabetizados, que possuem documento de identidade e CPF. Além disso, a CNH é categorizada de acordo com o tipo de veículo que o motorista deseja conduzir e possui provas de aptidão para cada uma delas.

Categoria A: “Condutor de veículo motorizado de duas ou três rodas, com ou sem carro lateral.”

Categoria B: “Condutor de veículo motorizado, não abrangido pela categoria A, cujo peso bruto total não exceda a três mil e quinhentos quilogramas e cuja lotação não exceda a oito lugares, excluído o do motorista.”

Categoria C: “Condutor de veículo motorizado utilizado em transporte de carga, cujo peso bruto total exceda a três mil e quinhentos quilogramas.”

Categoria D: “Condutor de veículo motorizado utilizado no transporte de passageiros, cuja lotação exceda a oito lugares, excluído o do motorista.”

Categoria E: “Condutor de combinação de veículos em que a unidade tratora se enquadre nas categorias B, C ou D e cuja unidade acoplada, reboque, semirreboque, trailer ou articulada tenha 6.000 kg (seis mil quilogramas) ou mais de peso bruto total, ou cuja lotação exceda a 8 (oito) lugares”.

Não esqueça que o condutor precisa, além da carteira de habilitação, ter atenção e cautela no trânsito, para não perder pontos e perder a ter o documento suspenso. Fazer do trânsito um lugar seguro e sem vítimas é uma obrigação de todos! 😉

Continuar lendo

Programa Recomeço completa 1 ano

Você já conhece o Programa Recomeço? A iniciativa da Seguradora Líder que tem o objetivo de dar apoio aos beneficiários do Seguro DPVAT na reinserção no mercado de trabalho após a recuperação do acidente de trânsito está completando 1 ano de lançamento! Neste post especial do blog Viver Seguro no Trânsito, vamos falar sobre os avanços do Programa e como você pode participar ou ajudar alguém a conquistar uma nova oportunidade.

Como funciona o Programa Recomeço?

O Programa Recomeço conta com uma Plataforma Digital, disponível em www.seguradoralider.com.br/recomeco, que permite a disponibilização de vagas pelas empresas parceiras e o cadastramento dos interessados em uma nova oportunidade de emprego. Mas fiquem atentos pessoal: é preciso ser beneficiário do Seguro DPVAT para se cadastrar no Portal de Oportunidades e se candidatar às vagas. Um ano depois do lançamento do programa, 32 empresas estão cadastradas e mais de 570 beneficiários com currículo ativo na plataforma virtual do Recomeço. As empresas devem enviar em e-mail para recomeco@seguradoralider.com.br manifestando o desejo de se tornarem parceiras.

Qualificação Profissional

O programa também já formou duas turmas em cursos de qualificação profissional ministrados na Escola Nacional de Seguros (ENS). Beneficiários do Rio de Janeiro e São Paulo já tiveram as esperanças e expectativas renovadas para sua recolocação no mercado de trabalho. O conteúdo programático incluia temas como atendimento ao cliente; conceitos básicos de seguros; língua portuguesa; orientação profissional; matemática financeira; rotinas administrativas e informação básica. Ao todo, foram 84h de formação.

História de Recomeço

Janilson Júnior foi um dos participantes da turma-piloto de 2018 e conseguiu a sua recolocação por meio do projeto, integrando a área Jurídica da Seguradora Líder Atualmente com 33 anos, foi vítima de dois acidentes de trânsito – um aos 9 anos de idade e outro em 2010 – que provocaram sequelas permanentes. “Antes do programa, estava sem expectativas, por estar fora do mercado de trabalho. Agora, sinto que posso voltar a sonhar e concluir a faculdade de Administração, que interrompi no 6º período”, afirma ele.

Conhece alguém que gostaria de participar ou uma empresa que quer ser parceira do Programa Recomeço? Marca ele aqui no post!

Continuar lendo

Acidentes com motocicletas já respondem por 77% das indenizações do DPVAT

No final de julho (27), celebramos o Dia do Motociclista. Entretanto, o balanço da Seguradora Líder sobre os pagamentos de indenizações do primeiro semestre de 2019 para essa categoria de veículos, com os recursos do DPVAT, não deixam motivos para comemorações. A motocicleta foi o veículo com maior número de indenizações nos primeiros seis meses deste ano, concentrando 77% de todos os sinistros pagos no período. Foram mais de 119 mil indenizações pagas somente com acidentes envolvendo motos, sendo 71% delas, 84.557 para cobertura de invalidez permanente.

Os motociclistas foram as maiores vítimas das indenizações pagas no ano de 2019: dos 88 mil motoristas indenizados, 78.480 eram motociclistas. Quando analisada somente a cobertura por morte, foram 7.130 benefícios contabilizados. As vítimas de acidente envolvendo motocicletas são, em sua maioria, jovens em idade economicamente ativa. No período citado, as vítimas entre 18 e 34 anos, concentraram 49% dos acidentes fatais e 52% dos acidentes com sequelas permanentes. São números que pioram ano após ano e que, agora, ainda podem ser engrossados com as novas alternativas sob duas rodas como, por exemplo, os patinetes elétricos.

O estimulo ao uso de motocicletas é fruto da carência de transporte público, em particular no interior das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país e foi provocado por um grande equívoco quando, durante a promulgação do Código de Trânsito Brasileiro, em 1997, foi vetada a proibição de motocicletas circularem no corredor, ou seja, entre veículos. Isso estimulou o uso das motos e, inicialmente, o fenômeno da expansão da frota de motocicletas aconteceu nos grandes centros mas, em pouco tempo, os fabricantes perceberam o potencial do interior e, infelizmente, não é possível identificar nenhuma tendência de redução dos acidentes com moto, ao contrário, enquanto a indústria fatura, nossos jovens morrem ou ficam inválidos em decorrências dos acidentes e falta de fiscalização.

Precisamos estimular campanhas educativas dramáticas, mostrando as reais consequências dos acidentes com motocicletas, com a participação das vítimas e seus familiares, para que, principalmente, os jovens reflitam e entendam que invalidez e morte não estão distantes das duas rodas.


Continuar lendo

Pedestres são responsáveis por mais de 40 mil indenizações no primeiro semestre de 2019

Os pedestres também fazem parte do trânsito, e o mês em que celebramos o Dia Mundial do Pedestre (08 de agosto) é a oportunidade para lembrar que o risco de acidentes atinge todos andam diariamente pelas ruas. No primeiro semestre de 2019, foram pagas mais de 46,8 mil indenizações aos pedestres vítimas de acidentes de trânsito e seus beneficiários. O número é alarmante porque, na comparação com o mesmo período do ano anterior, o crescimento é de quase 9% (43.267). Neste post, lembramos que a redução desses números depende não só de infraestrutura, mas também do respeito mútuo entre motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres.

Conforme Art. 29, § 2 do Código de Trânsito Brasileiro, “os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres. ”, mas será que é colocado em prática? O negligenciamento dessa regra pode resultar em acidentes com consequências irreparáveis. Mas por outro lado, a falta de atenção de quem anda a pé ao trânsito, com distrações como celular e fones de ouvido, também são fatores de risco.

De acordo com levantamento realizado pela Seguradora Líder, os pedestres foram responsáveis por 46.866 das indenizações totais pagas pelo Seguro DPVAT no primeiro semestre de 2019, sendo a maioria pela cobertura de invalidez permanente (36.137). Outros 5.866 deram entrada no pedido do benefício por reembolso de despesas médicas e 5.363 foram vítimas fatais.

A redução desse número depende de cada pessoa presente no trânsito, é preciso estar sempre atento, manter o respeito pelo próximo e fazer sua parte para que as vias sejam cada vez mais seguras para todos né, galera?

Então se liga, faça sua parte! Pedestres, lembrem-se: não atravessem pela parte de trás dos veículos; caminhe, de preferência, pelo lado de dentro das calçadas; antes de atravessar, faça contato visual com os motoristas para ter certeza de que ele te viu! E motoristas, estejam atentos para tentar antever a reação dos pedestres; não pare nas faixas; evite buzinar para os pedestres; e claro, seja gentil, dê a preferência! 😉

Curtiu o post? Conta pra gente, aqui nos comentários, você presta atenção quando está transitando a pé pelas ruas? 😉

Continuar lendo

Página 1 de 1