Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo

Categoria: Artigos

Já conhece as lombofaixas?

Atravessar a rua é muito mais seguro quando utilizamos a faixa de pedestres, passarelas e respeitamos a sinalização de trânsito. Você já ouviu falar da faixa elevada? Conhecida como lombofaixa, elas não são uma exclusividade brasileira e já são utilizadas em países como Inglaterra, Alemanha, Holanda. Quer saber mais? Acompanhe o nosso post.😉

Para quem ainda não conhece, a faixa de travessia elevada nada mais é que uma junção da faixa de pedestres com uma “lombada”, expressão que faz alusão ao redutor de velocidade. O objetivo para a instalação dessa opção é que os motoristas deem prioridade aos pedestres no momento da travessia, fazendo com que, além de sinalização, haja um fator para diminuição da velocidade.

Cidades que já vem sendo #BonsExemplos ;)

Algumas cidades estão investindo na implementação das lombofaixas como medida de intervenção para a melhoria da acessibilidade e da segurança no trânsito do município. Um dos exemplos é Araraquara, no interior de São Paulo, que irá realizar, em novembro, uma campanha para abordar a questão das faixas elevadas como solução para ampliar a visibilidade dos pedestres e reduzir a velocidade dos veículos. Bacana né?

Outro município paulista que também está apostando na mesma solução é Mogi das Cruzes. Foram instaladas 15 lombofaixas em diversos pontos da cidade.

E você? Já viu alguma lombofaixa na sua cidade? Conta pra gente aqui nos comentários!


Continuar lendo

Viajar de moto só é bom com segurança

Os motociclistas estão em toda parte da cidade e rodovias, muitos ainda inexperientes, mas não resistem à tentação de pegar a moto e partir para a estrada. Para viajar com segurança, os veteranos dão algumas dicas, e a primeira delas é: nunca pilotar cansado. Pode parecer improvável, mas tem gente que acaba cochilando na moto, principalmente em trechos mais monótonos. Antes de partir, verifique também se a sua documentação e a do veículo estão em dia. Faça uma revisão geral checando a pressão dos pneus, óleo do motor, lâmpadas, correntes e freio. Utilize sempre capacete, botas, luvas e casaco, e leve o mínimo de bagagem, até para a sua segurança.

Antes de viajar, pesquise as condições do tempo. Sob chuva forte, pare em lugar protegido e aguarde para seguir viagem. Dirija sempre com farol baixo aceso e procure viajar durante o dia, já que a visibilidade é maior para você e demais condutores. Caso viaje de noite, cheque o sistema de iluminação da sua moto, utilize capacete e roupas claras que contenham material refletivo. Mantenha sempre distância segura do veículo da frente. Dessa forma, há tempo para realizar uma manobra em caso de imprevisto. Lembre-se que o ponto cego dos veículos pesados é muito maior que dos carros. Nunca divida a faixa com outra moto, mesmo em pista dupla. Nas ultrapassagens, tenha muito cuidado e lembre-se que podem aparecer surpresas nas vias como animais, buracos e desníveis.

Muito cuidado com deslocamento de ar dos veículos pesados. Hoje, temos caminhões cada vez mais rápidos carregando até 40 toneladas. A simples passagem de uma carreta a 90 km/h pode derrubar um motociclista. Naturalmente, respeite as sinalizações e as leis do trânsito, e pare a cada 2 horas de direção e descanse cerca de 20 minutos para recuperar o reflexo.

Não esqueça que acidentes com motocicletas são responsáveis por mais de 70% das indenizações do Seguro DPVAT por invalidez permanente. Portanto, todo motociclista faz parte de uma população de grande risco. Viaje com segurança para não fazer parte das estatísticas.


Continuar lendo

Berlim é eleita a cidade líder mundial em mobilidade urbana


Você consegue imaginar as melhores cidades do mundo no quesito mobilidade urbana? A Kantar, empresa especializada em dados, insights e consultoria, realizou um estudo baseado em mais de 20.000 entrevistas com usuários de diferentes meios de transporte e viajantes em 31 cidades ao redor do mundo. Quer conhecer o resultado? Fique ligado no nosso post!

Berlim lidera o ranking mundial!

A capital alemã está em primeiro lugar quando o assunto é mobilidade urbana, de acordo com a pesquisa. Berlim está no topo por apresentar ampla infraestrutura de transporte público e compartilhamento de viagens, assim como, opções de viagens econômicas. Logo em seguida, vem Auckland, localizada na Nova Zelândia, e Moscou, ficou em terceiro lugar.

Por não apresentar infraestrutura variada e não preencher outros requisitos, São Paulo, a cidade representante brasileira na pesquisa, não obteve bom posicionamento do ranking. Das 31 cidades analisadas, a capital paulista ocupou o penúltimo lugar, ficando à frente apenas de Nairóbi, localizada no Quênia.

Propósitos e objetivos

As informações geradas por meio da análise das cidades foram produzidas a partir de entrevistas em profundidade com 53 dos principais especialistas em mobilidade do mundo. O intuito, além de apresentar o ranking, é que haja maior planejamento urbano e estratégias de negócios para novas e empresas já existentes do setor de transportes e mobilidades, melhorando a infraestrutura das cidades.

O que achou do ranking? E quer ler sobre algum assunto específico no blog Viver Seguro no Trânsito? Conta pra gente aqui nos comentários. Sua opinião é muito importante ;)



Continuar lendo

#BonsExemplos: Porto Alegre utiliza inteligência artificial para auxiliar o trânsito

Adoramos contar histórias com bons exemplos por aqui. E uma iniciativa que merece ser destacada é a de Porto Alegre. A prefeitura da capital do Rio Grande do Sul está trabalhando em um sistema com base em inteligência artificial, que tem como principal objetivo melhorar o fluxo do trânsito. Quer saber mais? Fique ligado no nosso post!

Conheça o Mapa da Fluidez:

Por meio da utilização do GPS (Global Positioning System), o deslocamento de motoristas de uma empresa especializada em mobilidade foram monitorados. Dados como a velocidade média dos motoristas; os pontos em que estavam parados; e semáforos onde há maiores atrasos foram analisados e, a partir disso, o Mapa da Fluidez foi gerado. Esse sistema foi desenvolvido pela empresa 99 Táxis, em parceria com a Empresa Pública de Transporte e Circulação. E olhem esses números: Porto Alegre possui 2,8 mil quilômetros de vias e quase 1.400 semáforos. 😱

A previsão é que o Mapa da Fluidez esteja disponível para visualização em breve, já que os dados estão sendo coletados desde julho. A ideia é que as informações coletadas sejam integradas à programação semafórica. Podem proporcionar, ainda, sugestões de melhorias no trânsito, como, por exemplo, o tempo de cada sinal de trânsito.

O tema foi destaque na Mídia, como você pode ver aqui.

Primeira cidade brasileira a receber a tecnologia

Esse tipo de coleta de dados já é conhecido e utilizado na China e foi capaz de gerar ações mais rápidas, devido ao monitoramento em tempo real, além de otimizar o tempo dos semáforos. Outro benefício desse recurso é a capacidade de analisar as medidas tomadas pelas autoridades do trânsito, fazendo com que um estudo de resultados seja feito de forma mais eficaz e eficiente.

Se você conhece alguma iniciativa, manda para gente aqui nos comentários! Sua opinião é super importante ;)


Continuar lendo

Da violência no trânsito não escampam nem as crianças

No início da tarde do dia 12 de outubro, quando o Brasil celebrava Nossa Senhora Aparecida, padroeira do país, e as crianças comemoravam o seu dia, um acidente na rodovia Presidente Dutra revelou mais uma faceta dramática da violência no trânsito. Uma família viajava na região de Porto Real, próximo de Resende, estado do Rio de Janeiro, quando um caminhoneiro invadiu a pista contrária e colidiu com um automóvel em que estavam 4 adultos e um bebê de apenas 1 mês. Os pais viajavam para apresentar o recém-nascido para familiares e foram surpreendidos com a violenta colisão que matou todos os ocupantes do automóvel e o caminhoneiro, um total de seis vítimas fatais. O que levou o caminhoneiro a invadir a pista contrária está sendo investigado, entretanto, essa tragédia rodoviária mostra o quão frágeis somos todos, no trânsito. Principalmente as crianças que muitas vezes, sequer tem consciência do que seja um veículo.

Segundo dados da Seguradora Líder, que administra o Seguro DPVAT, até setembro desse ano 9.865 crianças e adolescentes entre 0 e 17 anos foram indenizados em função de acidentes em todo o país, ou seja, uma média de 36 vítimas por dia. Cerca de 70% ou 6.933 das indenizações foram pagas por invalidez permanente, ou seja, crianças que iniciam a vida inválidos. Outros 1.431 sinistros foram concedidos por mortes no trânsito. Mas quantas pessoas foram efetivamente atingidas por esses supostos acidentes? Afinal, muitos familiares dessas crianças não aparecem nas estatísticas, porque não estavam envolvidos nos acidentes, mas sofrem de uma dor que não há indenização que pague.

Como um avô ou avó que acaba de conhecer um neto vai se sentir ao saber que ele morreu com apenas 1 mês de vida ou ficou inválido? Por isso insistimos que é necessário conhecer as histórias que estão por trás das ocorrências. A imprensa poderia contribuir mais contando esses dramas, não para chocar, mas para fazer refletir. Noticiar apenas o acidente e os mortos, é pouco. Não dar dimensão do problema é muito menos do drama decorrente que chamamos de acidente.

Precisamos aprender com as tragédias, inclusive para que elas não se repitam, caso contrário, continuaremos tratando a morte no trânsito como fatalidade, como marcos quilométricos que deixamos para trás na longa estrada que esperamos percorrer, mas que para muitos, inclusive, crianças, numa curta viagem, uma r[rápida passagem pela vida.


Continuar lendo

12 de Outubro – Dia do Corretor de Seguros

Neste sábado, dia 12/10, não é comemorado apenas o Dia das Crianças, mas também o dia de um agente muito importante para o setor de seguros: os corretores. E nós não poderíamos deixar de falar desses parceiros que nos ajudam, todos os dias, a levar o Seguro DPVAT para mais perto da população brasileira. Quer saber um pouco mais sobre essa história? Então fique ligado nesse post especial do blog Viver Seguro no Trânsito.

Como tudo começou

Para entender o modelo de seguros como conhecemos hoje, temos que fazer uma viagem no tempo para o século XIV, na Itália. Foi em Gênova, em 1347, que foi celebrado o primeiro contrato de seguro e, na mesma época, não muito longe dali, em Florença, surgiam os primeiros profissionais especializados em intermediar os contratos de seguros entre pessoas de direito privado, os famosos corretores de seguros!

No Brasil, a profissão foi regularizada em 1964 e amparada pela Lei 4.594, que estabeleceu os parâmetros legais para o exercício da função. Somente em 1970, no I Encontro Mundial de Corretores de Seguros, na Argentina, que o dia 12 de outubro foi definido como Dia do Corretor de Seguros.

Como ser um parceiro do Seguro DPVAT?

Em nosso site está disponível o Canal de Corretores, que pode ser conferido aqui. Os interessados em ajudar a levar o Seguro DPVAT à toda população brasileira encontram, nesse canal, todas informações necessárias. Para realizar o cadastro no programa, é necessário demonstrar interesse através do e-mail relacionamento.canais2@seguradoralider.com.br. Atualmente já são mais de 146 corretores cadastrados como parceiros do Seguro DPVAT. 😉




Continuar lendo

A vida sobre duas rodas também merece respeito

A morte de um engenheiro em Belo Horizonte, que deixou dois filhos e sofreu traumatismo craniano após queda enquanto conduzia um patinete elétrico, é mais um alerta para a sociedade sobre os riscos da proliferação dos transportes alternativos em duas rodas, sem o uso de equipamentos de segurança e regulamentação mínima. Somente na capital mineira, já foram atendidas mais de 100 pessoas após acidentes envolvendo patinetes.

Outras ocorrências vêm se multiplicando com usuários em suas velozes e pesadas bicicletas elétricas em todo país. Sem falar em ciclistas que transportam refeições e outros produtos em enormes mochilas. No Rio de Janeiro, são milhares de jovens que circulam sem nenhum respeito às normas de trânsito em bicicletas improvisadas, a serviço de empresas de entrega. Trafegam no meio dos veículos, na contramão, invadem calçadas, naturalmente sem nenhum treinamento e/ou capacete. Colocam suas vidas em risco e, muitas vezes, dos pedestres.

Tudo isso amplia o leque de vítimas de acidentes sobre duas rodas. Nos últimos dez anos, o Seguro DPVAT pagou 3,2 milhões de indenizações por ocorrências envolvendo motocicletas e ciclomotores. Deste total, quase 200 mil pessoas morreram e 2,5 milhões ficaram com algum tipo de invalidez permanente. Os números ainda mostram que, na última década, os benefícios destinados a vítimas de acidentes com motos e as “cinquentinhas” representam cerca de 72% do total de pagamentos efetuados pelo seguro obrigatório (4,5 milhões). Entre 2009 e 2018, as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT cresceram 28%.

São dados que não podem mais ser ignorados pelas autoridades e sociedade. Estamos há décadas patinando na adoção de medidas para evitar acidentes com veículos em duas rodas. Enquanto protelamos, as pessoas morrem ou ficam com sequelas. Decisões eficientes precisam ser tomadas para evitar que pessoas circulem em veículos de duas rodas sem respeitar normas rígidas de trânsito e segurança.


Continuar lendo

Imagine se toda a população de Florianópolis morresse em acidentes de trânsito

Nos últimos 10 anos, foram pagas mais de 485 mil indenizações do Seguro DPVAT para a cobertura de morte em acidentes de trânsito, o equivalente a população de Florianópolis, em Santa Catarina. Durante a Semana Nacional do Trânsito, entre os dias 18 e 25/09, aproximadamente 700 pessoas terão morrido em acidentes em todo o país. Além disso, terão deixado outros 7 mil feridos. O que para muitos são números e estatísticas, para as famílias das vítimas são dramas, vidas brutalmente interrompidas.

Embora as autoridades tenham sua parcela de culpa nessa carnificina nas nossas estradas e ruas, a grande responsabilidade é da sociedade. Temos que assumir nossa postura em defesa do trânsito seguro. Hoje, muitas pautas ocupam as discussões diárias, como a preservação do meio ambiente e a exploração do trabalho infantil no Brasil e no mundo. Mas pouco fazemos em prol da segurança no trânsito. Todos os brasileiros correm riscos diariamente, sejam como pedestres, passageiros ou condutores. Isso faz parte da nossa rotina, mas não nos mobilizamos como o tema exige.

Por isso, consideramos que a Semana Nacional do Trânsito passar sem ajudar a mudar efetivamente o quadro, os corpos continuarão a ser esquecidos, as famílias vão chorar seus mortos. E vamos esperar, que as coisas mudem no próximo ano.


Continuar lendo

Dia do Idoso: Seguro DPVAT indenizou mais de 200 mil vítimas acima de 65 anos na última década

No dia 1º de outubro, o Dia do Idoso é celebrado como uma oportunidade de valorizar a faixa etária e refletir sobre os cuidados necessários para quem tem mais de 65 anos. Quando o recorte é feito nos dados do trânsito, os números não são animadores 😔 De acordo com os nossos números, mais de 201 mil indenizações foram pagas a vítimas de acidentes de trânsito com mais de 65 anos, entre os anos de 2009 e 2018.

A análise dos dados do Seguro DPVAT mostram que cerca de 60% das vítimas idosas estavam na condição de pedestres no momento do acidente e os automóveis foram responsáveis pela maior parte das colisões, somando 49% dos benefícios. Além disso, cerca de 55% dos idosos indenizados pelo Seguro DPVAT, nos últimos dez anos, ficaram com algum tipo de sequela permanente. Mais de 55 mil benefícios foram pagos a familiares de vítimas fatais na terceira idade, enquanto a cobertura por reembolso de despesas médicas e hospitalares alcançou cerca de 35 mil indenizações. 😱

Em relação aos veículos, as motocicletas foram as principais responsáveis pelas indenizações pagas pelo Seguro DPVAT e somaram mais de 78 mil benefícios concedidos. Os acidentes com ônibus, micro-ônibus e vans tiveram mais de 12 mil pagamentos, enquanto os com caminhões e pick-ups concentraram mais de 11 mil sinistros.

Entre os dados regionais, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul foram os que mais apresentaram idosos indenizados pelo Seguro DPVAT na última década. Já Distrito Federal, Roraima e Amapá registraram as menores estatísticas.


Se você faz parte desse grupo ou conhece alguém que seja, lembre-se de não andar próximo ao meio-fio, peça ajuda sempre que precisar, seja pra atravessar a rua ou se locomover em transportes públicos, e não tenha pressa! Saber as limitações é essencial para evitar riscos desnecessários ;)


Continuar lendo

Lei do cinto de segurança completa 22 anos

A lei que torna obrigatório o uso do cinto de segurança por motoristas e passageiros em todo o território nacional completou 22 anos nesta segunda-feira, dia 23/09. A iniciativa é fundamental para a redução do número de vítimas fatais em acidentes e evita ferimentos mais graves causados pelas colisões. No entanto, muitos ainda insistem em não cumprir a regra, pessoal. De acordo com os números do Seguro DPVAT, nos últimos 10 anos, foram pagas mais de 3,4 milhões de indenizações a motoristas e passageiros vítimas de acidentes de trânsito no país. Destes, cerca de 324 mil morreram.

Estatísticas garantem que passageiros que usam corretamente o cinto de segurança têm menos risco de sofrerem lesões graves e mais chances de sobreviverem a um acidente. Mesmo diante dos fatos, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE, 24% das pessoas admitem não usar o cinto no banco traseiro. Um levantamento realizado pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP) sobre o uso do cinto de segurança nas rodovias revelou também que 70% das vítimas de acidentes morreram sem o item. Ainda de acordo com o estudo, 53% dos passageiros que viajam no banco traseiro, 15% dos passageiros no banco dianteiro e 13% dos motoristas não usam cinto de segurança.

E não é só isso! Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram que a falta do cinto de segurança é a terceira infração mais comum nas rodovias brasileiras 😦. Só em 2018, a PRF multou 170 mil pessoas por não usarem o item. No primeiro trimestre de 2019, foram 42 mil, mais do que no mesmo período de 2018.

Deixamos aqui um importante alerta: em uma batida entre veículos com velocidade a apenas 40 km/h, sem o cinto, o motorista pode ser arremessado contra o para-brisas ou para fora do carro. O mesmo pode acontecer com o passageiro, inclusive no banco de trás. Por isso, ao entrar no carro, certifique-se de usar o cinto e lembrar os passageiros de fazerem o mesmo. Além disso, a não utilização do item acarreta em multa e perda de pontos na carteira. Segurança sempre em primeiro lugar!


Continuar lendo

Página 1 de 19
12345678910...