Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo

Punição mais rigorosa para motorista embriagado que causar acidentes

motorista-embriagado.png

É para comemorar, galera! Hoje, 19 de abril, entra em vigor a Lei nº 13.546/17, que aumenta o rigor na punição aos motoristas que conduzirem veículos sob efeito de álcool ou outras substâncias psicoativas e causarem acidentes. Esse é um importante passo para o trânsito brasileiro, especialmente quando estudos divulgados pelo Ministério da Saúde apontam que 21% dos acidentes registrados no país estão relacionados ao consumo de álcool e quando o Boletim Estatístico de Março da Seguradora Líder mostra que 9.196 indenizações por morte foram pagas apenas no primeiro trimestre do ano. Ficou curioso para saber mais sobre essa Lei? Continue ligadinho no nosso post! ;)

Principais novidades

As principais novidades estão no período e no tipo de punição, pessoal. Para os casos de lesões corporais graves ou gravíssimas, aquelas que podem ocasionar invalidez permanente, por exemplo, a pena passa de 6 meses a 2 anos para de 2 a 5 anos de prisão em regime fechado e, nos casos de homicídio culposo, aquele onde não há intenção de matar, passa para de 5 a 8 anos de prisão, também em regime fechado. Além disso, não haverá a possibilidade de pagamento de fiança e ocorrerá a suspensão ou proibição do direito de se obter a permissão ou habilitação para dirigir. Uma grande conquista, não é mesmo? ;)

Mas e se o motorista embriagado não provocar morte ou lesão corporal?

Se o motorista embriagado for flagrado numa blitz sem ter provocado morte ou lesão corporal, a pena continua a mesma: detenção de 6 meses a 3 anos, com possibilidade de pagamento de fiança. Além disso, esses condutores pagam uma multa de R$ 2.934,70 e têm a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa.

Os perigos da direção após o consumo de álcool

Além das penas que mostramos nesse post, tem outras razões para que a combinação bebida e direção não dê certo, pessoal. Ao afetar as funções cerebrais de forma gradual, os indivíduos alcoolizados têm muito mais risco de se envolver em uma colisão. De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET), após o consumo de álcool, o risco de se envolver em um acidente fatal é de 4 a 10 vezes maior.

E você, gostou de saber mais sobre essa Lei? ;) Você acha que ela vai colaborar para diminuir os elevados índices de acidentes causados por embriaguez no país? Deixe sua opinião aqui nos comentários. =)


Continuar lendo

#DPVATExplica: saiba a diferença entre o Boletim de Ocorrência e o Ato Declaratório

bo-atodeclaratorio.png

Principal documento para você dar entrada no pedido de indenização do Seguro DPVAT, o Boletim de Ocorrência (B.O), tem uma série de particularidades, que costumam variar de estado para estado. Mas e na ausência desse documento? Nesses casos, galera, é preciso apresentar a chamada comprovação de ato declaratório. Ih, ficou confuso? Então, esse post é para você. Se liga que chegou a hora de mais um #DPVATExplica! ;)

Por que o Boletim de Ocorrência é o principal documento para dar entrada no Seguro?

Essa é fácil, pessoal! ;) O Boletim de Ocorrência é o único documento que contém as informações dos veículos e das pessoas envolvidas, além de toda a dinâmica do acidente, ou seja, em que posição a vítima se encontrava (motorista, passageiro ou pedestre), data e local exatos, enfim, toda a história que envolveu a ocorrência.

Afinal, o que é o Ato Declaratório?

O nome pode até parecer complicado, mas a explicação é bastante simples, galera. O Ato Declaratório é um documento, emitido por órgão oficial, que assim como o Boletim de Ocorrência, ratifica a existência do acidente, quais foram as suas circunstâncias e qual a participação da vítima. Ele é requerido nos casos em que o B.O é registrado depois do acidente, trazendo uma data diferente de quando a ocorrência realmente aconteceu. Quer exemplos práticos? Veja abaixo os documentos que podem ser apresentados como ato declaratório:

  • Atendimento e/ou Remoção pelo Corpo de Bombeiros, ou
  • Atendimento pela Polícia Militar, ou
  • Atendimento pela Polícia Civil, ou
  • Atendimento e/ou Remoção pela Polícia Rodoviária Federal, ou
  • Atendimento e/ou Remoção pelos "Anjos do Asfalto", ou Concessionárias de Vias Públicas ou similares, ou
  • Remoção pelo SAMU, ou
  • Remoção pela Defesa Civil, ou
  • Inquérito Policial, ou
  • Aviso de Sinistro em Seguradora do Ramo Auto ou
  • Outro documento que evidencie que o acidente relatado no BO por ato declaratório de fato ocorreu na data/local informado.

Só consegui fazer o Boletim de Ocorrência online. Consigo dar entrada na indenização?

Opa, essa é uma pergunta que a gente costuma ouvir bastante por aqui! Somente três tipos de Boletim de Ocorrência virtuais são aceitos na hora de dar entrada na indenização do Seguro DPVAT: o SETERB, da cidade de Blumenau, Santa Catarina, o BATEU, do Paraná e o BOAT, do Espírito Santo. Então, se você é de algum estado diferente do que falamos por aqui, será preciso apresentar o Boletim de Ocorrência ou, em sua ausência, a documentação de ato declaratório.

E aí, gostou de saber mais sobre esses documentos super importantes? ;) A gente lembra que sua dúvida pode se tornar um post do #DPVATExplica aqui no blog. Para isso, é simples: basta deixar seu comentário aqui embaixo. Esperamos por você! =)


Continuar lendo

Números para melhorar o trânsito

números-melhorar-transito.png

A gente sempre fala que aqui na Seguradora Líder temos muitos números! =) E sabe qual a parte mais legal disso? Acreditamos que, através deles, podemos contribuir para um amplo debate a respeito das medidas que devem ser tomadas para garantir um trânsito cada vez mais humano e mais seguro para todo mundo. Olha que lindo! \o/ E, como a gente gosta de te manter por dentro de tudo o que acontece por aqui, queremos te levar numa jornada bem bacana por todo o universo dos números da Seguradora Líder! Vamos juntos nessa?

Uma área totalmente dedicada aos números

A gente não poderia começar esse post falando de outra coisa, pessoal! Para contribuir com a prevenção de acidentes e com a educação no trânsito, desde 2011, contamos com o Centro de Dados e Estatística, que produz alguns dos documentos que iremos te apresentar nesse post. Ao analisar continuamente os indicadores estatísticos da Seguradora Líder, essa área contribui bastante para o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes cada vez mais efetivas. É muito amor envolvido! <3

Boletim Estatístico

Um desses documentos é o Boletim Estatístico! Com edições mensais e uma identidade visual linda, ele traz o volume de indenizações pagas pelo Seguro DPVAT, o perfil das vítimas, o mapa das indenizações, além de um raio-X das motocicletas. Ficou curioso para saber mais? Você pode conferir todas as edições, desde 2011, clicando aqui. Bem legal, não é? ;)

Relatório Anual

Está pensando que a gente só tem o Boletim Estatístico? Não mesmo! Também contamos com o Relatório Anual. Como o próprio nome já diz, ele é divulgado anualmente e apresenta dados como o montante de indenizações pagas ao longo do ano, o perfil dessas indenizações no país, a comparação da arrecadação dos exercícios, a frota de veículos no Brasil e alguns números relacionados a tentativas de fraudes no Seguro DPVAT. Clique aqui para conferir a edição de 2017.

Radar DPVAT

Ei, você sabia que o site da Seguradora Líder conta com uma área dedicada aos fatos relevantes sobre o trânsito brasileiro, através da ótica dos dados estatísticos das indenizações pagas pelo Seguro DPVAT? É o Radar DPVAT, pessoal! Para conferir, é só clicar aqui. =)

Depois desse post, que tal aproveitar para visitar todos esses documentos e conhecer mais um pouco sobre o que a Seguradora Líder está fazendo para melhorar o trânsito? ;) A gente lembra que, se você tiver alguma curiosidade sobre o trabalho desenvolvido por nós, é só deixar o seu comentário aqui embaixo. \o/


Continuar lendo

Dia do Jovem: faixa etária de 18 a 34 anos é a principal vítima do trânsito brasileiro

dia-do-jovem.png

Hoje é Dia do Jovem e essa data deve ser comemorada com a alegria característica da idade, não é mesmo? Mas tanto as estatísticas quanto os noticiários nos mostram um dado triste: os acidentes de trânsito são a principal causa de morte entre jovens. Mas por que isso acontece? É o que vamos descobrir juntos no post de hoje. Bora lá?

A cada dia de 2018, mais de 460 indenizações pagas

Somente no primeiro trimestre de 2018, a faixa etária mais atingida por acidentes de trânsito foi a de 18 a 34 anos, com 42 mil indenizações pagas, o equivalente a 48% do total do período. Isso corresponde a capacidade total da Arena Palestra Itália, em São Paulo, estádio que registrou o maior número de megashows no mundo no ano passado. De impressionar, não é? Mas não para por aí! Outra informação nada legal é que os homens representaram 75% das indenizações pagas somente neste período. Alô, rapaziada! L

Impacto direto na economia

Os jovens de 18 a 34 anos são a população considerada "economicamente ativa". Após um acidente de trânsito, quando não perdem suas vidas, eles acabam adquirindo algum tipo de sequela permanente, que os impedem de retornar ao mercado de trabalho e geram uma porção de perdas para a economia. Um estudo feito pela Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados) mostra que, em 2016, somente nas rodovias federais e estaduais, R$ 5 bilhões foram perdidos devido à acidentes de trânsito. Esse número levou em conta gastos como a destruição do veículo, as despesas hospitalares e a própria perda de produtividade, pessoal. :(

Mas, afinal de contas, quais são os motivos?

Essa é a pergunta mais frequente feita pelos estudiosos do trânsito e tem inúmeras respostas, galera. Geralmente, alguns deles mencionam características da própria idade, como a impulsividade que leva ao desrespeito às leis de trânsito de forma geral, através de atitudes como dirigir em alta velocidade, ingerir álcool, falta de atenção, consumo de drogas e manuseio do celular ao volante.

Todos sabemos que a escolarização, desde muito cedo, tem um papel super importante na criação de uma cultura defensiva no trânsito entre os jovens, mas não é só isso. Um bom exemplo também pode (e muito) motivar boas práticas! Por isso, papais, parentes e comunidade em geral: vocês têm todo o potencial para influenciar, positivamente, o comportamento dos jovens. É o poder através do exemplo! =)

Ser jovem é muito bom, não é mesmo, galera? ;) Então, não deixe os melhores anos da sua vida acabarem no trânsito. Vocês tem o poder da mudança que o nosso trânsito precisa adotando atitudes simples podem ser decisivas para garantir a preservação da sua vida. Tem uma história todinha esperando ser escrita por você! \o/


Continuar lendo

Road Rage: saiba mais sobre a fúria no trânsito

road-rage.png

Uma pessoa gritando com outras pessoas no trânsito. Uma briga entre motorista e um pedestre que atravessou fora da faixa. Uma discussão entre o motociclista que passou no corredor e um motorista de ônibus. Você já presenciou alguma dessas situações? Se a resposta for sim, saiba que existe uma explicação para esses comportamentos aparentemente fora de contexto: é o chamado "road rage", em tradução livre "fúria no trânsito", em que o condutor expressa comportamentos agressivos direcionados a outro motorista ou pedestre em um esforço para intimidar ou liberar sua frustração.

E a "fúria no trânsito" tem uma explicação biológica: o aumento do potencial elétrico, ocasionado por altos níveis de poluição na atmosfera, pode ocasionar perturbações nas funções dos neurotransmissores, o que leva a uma perda no controle dos comportamentos explosivos. O resultado? Uma explosão leva à agressividade e violência verbal, galera. :(

Problema mais frequente em homens

De acordo com a Associação dos Portadores de Transtorno de Ansiedade (APORTA), os homens são os que mais sofrem desse transtorno. A explicação é muitas vezes cultural, já que a virilidade, para muitos deles, está ligada ao carro e ao modo como eles conduzem. Uma coisa é fato: esse tipo de comportamento pode gerar mais acidentes. Sabe o que ajuda a comprovar isso? As indenizações pagas pelo Seguro DPVAT, pessoal. Historicamente, sua maior incidência vai para as vítimas do sexo masculino. Somente no primeiro trimestre de 2018, foram 75% das indenizações.

Relação do aumento da frota e aumento do estresse

Em menos de 10 anos, o número de automóveis no país saltou de 53 milhões para 94 milhões. Isso significa que, hoje, quase metade da população brasileira tem carro. Muita coisa, não é mesmo? O aumento na frota brasileira ajuda a explicar o elevado número de congestionamentos, um dos principais motivadores para a "fúria no trânsito". Afinal, as emoções despertadas naqueles que enfrentam longos engarrafamentos, como o estresse, podem desencadear atos agressivos na direção.

Como combater

Por aqui só rola dica boa e, pensando nisso, separamos algumas que podem colaborar para diminuir a sensação de raiva constante ao volante. Confira!

Jamais responda a agressões no trânsito! Se sentiu ameaçado? Ligue para a Polícia Militar, através do número 190. Outra dica bem bacana é, ao menor sinal de desentendimento, aumente a distância em relação ao outro carro.

Evite conduzir quando estiver sob uma situação de estresse ou após uma discussão. Foque apenas na direção e resolva os outros problemas depois.

Que tal tornar o congestionamento menos maçante? Músicas e audiobooks ajudam a distrair um pouquinho.

Tentou as dicas acima e não deu certo? Talvez seja a hora de procurar ajuda profissional, como um terapeuta, por exemplo. Além de se estressar menos, é uma ótima oportunidade de resolver várias outras questões. ;)

Como você viu, o "road rage" é um fenômeno bastante complexo e envolve uma porção de coisas. Por isso, se você se identificou com qualquer um desses sintomas, o importante é buscar ajuda. Afinal de contas, o trânsito não deve ser sempre sinônimo de estresse, não é mesmo? ;)


Continuar lendo

Conheça a importância do capacete para o motociclista

uso do capacete.png

Somente no primeiro trimestre de 2018, 4.578 motociclistas morreram no trânsito brasileiro. Outros 50.469 adquiriram sequelas permanentes. Os dados são da edição de março do Boletim Estatístico da Seguradora Líder, importante instrumento que ajuda a dimensionar a extensão dos danos causados pela violência no trânsito em todo o país. Mas o que podemos fazer para alterar essa realidade, pessoal? É bem simples: adotar, de forma urgente, medidas de segurança, como o uso do capacete. E é justamente para bater aquele papo sobre a importância desse equipamento que escrevemos esse post. Vem que só tem dica boa! ;)

Obrigatoriedade do uso: uma linha do tempo

A obrigação do uso do capacete surgiu juntinho com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em 1997, galera. Desde então, para circular nas vias públicas, seu uso é obrigatório tanto para condutor quanto para passageiro da motocicleta, motoneta, ciclomotor, triciclo e quadriciclo motorizados, devidamente afixado na cabeça pela cinta jugular e engate por debaixo do maxilar inferior. Em 2013, o uso do capacete ganhou novas vertentes: a Resolução nº 453/2013 veio para disciplinar o seu uso, estabelecendo quais modelos são permitidos e quais são proibidos. Um exemplo bem bacana que veio depois dessa Resolução são os capacetes do tipo "coquinho", proibidos pela legislação, que não atendem os requisitos mínimos de segurança.

Eficácia comprovada através dos números

É isso aí! Estudos que avaliaram a eficácia dos capacetes demonstraram que seu uso previne cerca de 69% dos traumatismos crânio-encefálicos e 65% dos traumatismos da face. Isso acontece porque o capacete minimiza os efeitos causados por impacto contra a cabeça do usuário no momento do acidente. Mas é importante lembrar: a eficácia do capacete está ligada diretamente à sua utilização correta, ou seja, afivelado e com todos os seus acessórios e complementos. Vale ficar de olho! =)

Escolhendo o capacete ideal

Para garantir a eficácia do capacete, o ideal é escolher o melhor modelo para você. Por isso, separamos algumas dicas bem bacanas para adquirir o capacete ideal:

- O primeiro passo é comprar um capacete que tenha o selo do Inmetro, pois essa é a garantia de que ele foi testado de acordo com as normas estabelecidas por um órgão de certificação competente;

- Busque comprar capacetes com cores claras para facilitar a visibilidade;

- Na hora de experimentar o capacete, veja se ele se encaixa simetricamente na sua cabeça, não inclinando para trás;

- Jamais compre capacetes usados: ele pode ter sofrido pancadas ou acidentes e você não conseguirá perceber o dano.

E aí, gostou de saber mais sobre esse item feito para garantir proteção à todos os motociclistas? Então, compartilhe esse post com seus amigos, afinal, segurança nunca é demais! =) Esperamos por você aqui nos comentários!

Continuar lendo

Várias formas de atender você: conheça os canais oficiais do Seguro DPVAT

atendimento-seguro-dpvat.png

A Seguradora Líder tem muitas formas de tornar o acesso ao Seguro DPVAT mais fácil para os seus beneficiários. Uma delas são os vários canais de relacionamento que nos permitem ficar cada vez mais perto de você: as redes sociais oficiais do Seguro DPVAT, o SAC, o Atendimento Online, isso sem contar os mais de 8 mil pontos de atendimento autorizados espalhados por todo esse Brasil. <3 Hoje, queremos falar um pouquinho mais sobre esses canais e como eles nos ajudam a entregar um Seguro cada vez melhor para todo mundo. Confira!

Redes sociais

Acompanhando as tendências de mercado, a Seguradora Líder conta com um time totalmente dedicado à comunicação digital, galera! Através do Facebook, do Twitter e do Instagram procuramos não só prestar atendimento para esclarecer dúvidas sobre o Seguro DPVAT, como também falar sobre prevenção e educação no trânsito, além do papel da Seguradora Líder na administração desse importante instrumento. Bem legal, não é? ;)

Então, se você ainda não curtiu, corre lá!
Facebook: https://www.facebook.com/DPVAToficial/
Twitter: https://twitter.com/dpvatoficial
Instagram: https://www.instagram.com/dpvat_oficial/

Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC)

Canal tradicional, que funciona 24 horas por dia todos os dias da semana, o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do Seguro DPVAT pode ser contatado através do número 0800 022 1204. Por lá, existe uma equipe preparada para atender questionamentos diversos, como andamento do pedido de indenização e quais são os principais documentos para dar entrada no benefício.

E a gente não poderia continuar esse post sem falar de números, não é mesmo? Somente no ano passado, recebemos 1.154.578 chamadas através desse canal. Ô, papo bom!

Autoatendimento online

Você é moderno e prefere resolver tudo da forma mais prática possível? A gente também pensou em você! No site da Seguradora Líder existe uma opção para atendimento online, onde é possível acessar todas as informações do Seguro DPVAT sozinho, com facilidade, comodidade e segurança. Para conferir, é só clicar aqui.

Nesse ano, aprimoramos esse serviço e agora, você pode acompanhar a situação do seu processo de indenização de maneira ainda mais simplificada, consultando, na íntegra, as correspondências recebidas e o status do processo. É para comemorar! \o/

Ouvidoria

Tentou obter alguma informação pelos outros canais mas não conseguiu? Para isso, existe a Ouvidoria! Mas a gente lembra: os acionamentos a esse canal devem ser feitos apenas em caráter recursal, tendo antes sido esgotados todas as tentativas através dos canais de atendimento que mencionamos aqui em cima. Lá no nosso site tem um passo a passo bem bacana para você entrar em contato com a Ouvidoria. Clique aqui para conferir.

Agora que você conhece um pouco mais sobre os canais de atendimento do Seguro DPVAT, que tal fazer aquela visitinha nas nossas redes sociais? Por lá, você fica por dentro de todo o universo do Seguro DPVAT e do trânsito. Esperamos por você! ;)


Continuar lendo

No Dia da Mentira, conheça os principais mitos sobre o universo do trânsito

dia-da-mentira.png

Por aqui, sabemos que a probabilidade de você estar comendo um chocolate enquanto lê esse post é enorme, afinal, a Páscoa chegou, não é mesmo? ;) Mas hoje também é comemorada uma outra data: o Dia da Mentira. Marcada ao redor do mundo pelas famosas pegadinhas, hoje é o dia onde você simplesmente desconfia de tudo o que vê. Mas não precisa desconfiar tanto assim: o assunto do nosso post é super verdadeiro. <3 Hoje, a gente quer desmistificar algumas das mentiras mais faladas sobre trânsito. Vamos nessa?

Beber e dirigir, não tem problema!

Essa é uma das mentiras mais divulgadas por aí, pessoal! Sob o efeito do álcool, o tempo de reação passa de um segundo para, em média, até 2,5 segundos. É o suficiente para percorrer 56 m às cegas. Além disso, o álcool reduz em até 32% a precisão visual de quem bebeu.

Você está pensando que os dados assustadores param por aí? Não mesmo! Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), o hábito de beber e pegar a direção na sequência é o segundo maior causador de acidentes no país. Olha o perigo! :O

Dirigir com sono não provoca acidentes

Dirigir com sono pode ser tão perigoso quanto dirigir embriagado. Uma pesquisa do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo, o Detran.Sp, mostra que até 20% de todos os acidentes de trânsito estão associados à sonolência. E sabe o que comprova isso? As indenizações pagas pelo Seguro DPVAT no primeiro bimestre de 2018. De acordo com o Boletim Estatístico de Fevereiro, a maior incidência de acidentes indenizados ocorreu no período do anoitecer, entre 17hs e 19:59 hs, representando 24% das indenizações.

Então, já sabe: esqueça o café ou qualquer outra tentativa para burlar o seu sono. O que evita acidentes mesmo é não pegar o volante em qualquer sinal de sonolência, galera! Quer outra dica bacana? Fique de olho na bula e evite dirigir após tomar medicamentos que tem como efeito direto ficar com sono. ;)

O cinto de segurança não é necessário no banco de trás

Em qualquer posição do carro, o uso do cinto de segurança é indispensável, galera! Em caso de acidentes, os ocupantes do banco de trás são arremessados de forma extremamente violenta contra os bancos dianteiros, sobre os ocupantes do banco da frente e contra o parabrisa. 

É preciso levar em consideração que o corpo de uma pessoa ou qualquer objeto que esteja no veículo pode chegar a pesar 35 vezes o seu peso em circunstâncias normais. Quer um exemplo? Uma pessoa de 75 kg, sentada no banco de trás, numa colisão com desaceleração total a 50km, chega a pesar 2 toneladas e 600 quilos. Imagine como essa pessoa fará para se segurar sem o cinto de segurança. Impossível, né?

Utilizar o celular no viva-voz não provoca distrações

Esse é um erro daqueles bem grandes! Um estudo realizado pelo Instituto Nacional Sueco de Pesquisas sobre Estradas e Transportes aponta que sistemas de interatividade para carros conhecidos como “hands free” é quase tão perigoso quanto falar segurando o celular enquanto dirige.

Numa escala de 0 a 100, que media de forma crescente o acúmulo de esforço mental, a instituição classificou em 52,7 o diálogo feito com viva-voz e em 57 o realizado de forma convencional. Quase não tem diferença, não é pessoal? 

E aí, que tal compartilhar esse post com todo mundo? Afinal, o Dia da Mentira pode ser só hoje, mas as dicas aqui em cima valem para o ano inteiro. \o/


Continuar lendo

Dicas para pegar a estrada na Páscoa

de-olho-na-estrada-pascoa.png

Páscoa é sinônimo de renovação, de chocolate, de família e de uma porção de coisa boa. Mas vamos ser sinceros? É também sinônimo de feriadão, galera! E, por aqui, a gente sabe que tem muita gente contando os minutos e os segundos para fazer aquela viagem bacana, não é? Mas que tal desacelerar um pouquinho antes de pegar a estrada? Para garantir que a sua ida e a sua volta sejam tranquilas, uma palavrinha não pode ser esquecida: a segurança. Pensando nisso, preparamos um post recheado de dicas para você. Vem com a gente! ;)

De olho nas estatísticas

Como por aqui acreditamos que, através da informação, conseguimos reduzir os índices de acidentes de trânsito, queremos compartilhar alguns números da Semana Santa do ano passado. Você sabia que, de quinta-feira até o domingo de Páscoa de 2017, foram pagas 2.614 indenizações do Seguro DPVAT relativas a acidentes ocorridos no período? Isso significa que a cada dia do feriadão, mais de 650 indenizações foram pagas, pessoal. Bastante coisa, não é mesmo? =(

Vale destacar que, nesse período, a motocicleta foi a responsável por 77% dos acidentes, apesar de constituir apenas 27% da frota nacional de veículos.

Motorista, motociclista, caminhoneiro: tem dica para todo mundo

Se os dados aqui em cima te assustaram, é hora de pensarmos juntos no que pode ser feito para evitarmos acidentes, não é mesmo? Por isso, independentemente do seu veículo, a boa é ficar de olho na listinha que separamos aqui embaixo. ;)

1. Calibre seus pneus: além de garantir o bom funcionamento do veículo, essa prática ajuda bastante na economia de combustível, galera. Isso acontece porque, quando os pneus estão calibrados, o veículo libera menos gases poluentes ao ambiente, facilitando o manuseio do volante.

2. Atenção à previsão do tempo: para não ter tempo ruim, vale pesquisar a previsão para saber em quais condições você pegará estrada. Isso se faz importante se seu percurso for extenso ou percorrido por estradas de terra, por exemplo.

3. De olho na bagagem: que tal prever a quantidade de malas que você vai levar? Assim, você garante a segurança de todo mundo no carro.

4. Transporte das crianças: até os dez anos, os pequenos devem ser transportados em uma cadeirinha adequada e somente no banco traseiro. Alô, papais!

5. Descanse: antes de pegar a estrada, que tal manter o sono em dia? Estar descansado é super importante para manter a atenção ao volante.

6. Respeito é bom e todo mundo gosta: você já parou para pensar que as placas de sinalização na estrada existem por uma razão? Respeitá-las, além de evitar infrações, garante a segurança de todo mundo.

7. Jamais misture álcool e direção: além de ser infração, misturar álcool e direção pode gerar um acidente daqueles.

8. Cuide da sua alimentação: a gente sabe que é Páscoa, mas não vale exagerar no chocolate, galera! Dê preferência a comidas leves e evite alimentos que você não tem o costume de comer.

9. Mantenha a distância de segurança: para evitar acidentes com freadas bruscas, o ideal é se distanciar do carro da frente, pessoal.

10. O uso do cinto é indispensável: você sabia que usar o cinto de segurança diminui em até 75% o risco de mortes em acidentes de trânsito?

E aí, gostou do nosso post? Agora é seguir as dicas e aproveitar o descanso com bastante responsabilidade! =)


Continuar lendo

Ansiedade no trânsito: precisamos falar sobre o medo de dirigir

medo-de-dirigir.png

A ansiedade já é considerada o "mal do século" e ela está presente até mesmo no trânsito. A "amaxofobia" é um nome que pode parecer complexo, mas tem um significado bastante simples: a fobia de dirigir. Traduzido em sintomas como suor excessivo e mãos trêmulas, quando não tratado, esse medo exacerbado tem grandes chances de se tornar uma doença incapacitante. Nesse post trazemos uma perspectiva sobre esse assunto, mostrando como os transtornos de ansiedade se traduzem no trânsito e apontando a direção para buscar ajuda. Confira abaixo!

Mais de dois milhões de brasileiros não dirigem por medo

De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), esse é o número de pessoas que não dirigem por medo. Para se ter uma ideia, é quase o mesmo que as populações do Acre, Amapá e Roraima somadas. :(

Uma curiosidade é que as mulheres correspondem a 75% desse total, o que faz com que elas tenham ainda mais cuidado na hora de pegar no volante e, consequentemente, sofram menos acidentes. As estatísticas do Seguro DPVAT comprovam esse fato: de acordo com o nosso Relatório Anual, somente em 2017, elas foram responsáveis por apenas 25% do total de indenizações pagas, frente a 75% dos homens.

O que leva uma pessoa a ter medo de dirigir?

Primeiramente, precisamos reconhecer que, da perspectiva psicológica, o ato de dirigir é complexo, já que envolve diversas competências cognitivas, como habilidades e atitudes. Você parou para pensar não é à toa que existe o teste psicológico para a emissão da CNH? Pois é! ;)

Tendo como base essa perspectiva e, pelo fato de ser um problema de ansiedade, o medo de dirigir é geralmente ocasionado por um estímulo anterior, como um sentimento de raiva ou vergonha. Entram aqui, por exemplo, eventuais traumas passados, o trânsito mais carregado das grandes metrópoles e, até mesmo, a insegurança gerada pela má formação de motoristas.

Reconhecer para vencer o medo

Não conseguir levar sua família para algum lugar é apenas um dos transtornos que a fobia de dirigir pode provocar. Há quem chegue a perder oportunidades de emprego pelo medo de segurar o volante, pessoal. Se você é assim ou conhece alguém que se encaixa nesse perfil, saiba que o primeiro passo é reconhecer que a ajuda especializada é necessária.

Por isso, o ideal é procurar a psicoterapia para amenizar a ansiedade e conhecer a fundo qual a causa do seu problema. Outra dica bem legal é separar um tempo da sua rotina para fazer um curso específico sobre o tema. Você sabia que os Detrans do país afora, por exemplo, oferecem cursos gratuitos para a superação do medo de dirigir? É isso aí. =)

E aí, que tal aproveitar o nosso post para dar aquele recado bacana para um amigo que tem medo de pegar no volante? Não se esqueça de continuar ligado no nosso blog para mais novidades. ;)

Continuar lendo

Página 1 de 27
12345678910...