Ir para conteúdo principal Ir para menu principal Ir para menu do rodapé Ir para menu Categoria Ir para menu Arquivo
Logon

Viver Seguro no Trânsito

Nós estamos fazendo nossa parte. E você?
Início do conteúdo

#BonsExemplos: O que está sendo feito para reduzir os acidentes de trânsito no país?


De acordo com dados da Seguradora Líder, de janeiro a novembro de 2018, foram pagas mais de 290 mil indenizações em todo o país. É fato, pessoal: os números só comprovam como pequenas atitudes, como exceder o limite de velocidade, dirigir sem cinto de segurança, avançar no sinal vermelho, e estacionar em local não permitido, podem ser algumas das razões para esse dado ainda ser tão alarmante. 😟

A boa notícia é que tem muita ação bacana sendo implementada no país voltada à educação e conscientização, prevenção de mortes e outros danos causados pelos acidentes de trânsito. Vamos conferir algumas delas? 😉

Diagnóstico das rodovias
Já falamos sobre a Operação Rodovida por aqui, mas a ideia é tão bacana que fazemos questão de reforçar, galera! Realizada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), tem o objetivo de intensificar a fiscalização no trânsito em períodos de maior circulação de veículos nas rodovias federais.

A PRF fez uma análise mais profunda dos acidentes que acontecem nas estradas do país, levando em conta a frequência, os horários e as causas dessas ocorrências. Assim, ficou mais fácil garantir que a fiscalização seja intensificada nestes percursos para coibir práticas perigosas como ultrapassagens irregulares, excesso de velocidade, consumo de álcool, atropelamento de pedestres e trânsito irregular de motocicletas. A próxima operação acontece no período do Carnaval, entre 22 de fevereiro e 9 de março de 2019. 😉

Mãos à obra
Sabiam que existe o Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito, o PNATRANS? É, galera! Essa sigla foi acrescentada ao Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e propõe um grande desafio aos órgãos de trânsito, transporte, saúde, justiça e educação pelos próximos dez anos: reduzir, no mínimo, pela metade o índice nacional de mortes nas rodovias! As metas foram determinadas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e tem como objetivos melhorar a mobilidade urbana, promover a convivência harmoniosa entre condutores, pedestres e ciclistas, e, claro, preservar vidas, já que o trânsito é umas das principais causas de mortes de pessoas no mundo. 😟

“Drogômetro” em ação
É isso mesmo que você está pensando! Se a fiscalização foi intensificada pela Lei Seca, a tendência é o cerco se fechar ainda mais para os condutores infratores, galera. É que o Governo Federal quer atuar também para detectar o uso de outros tipos de drogas no trânsito. A ideia é verificar, por meio da saliva, a presença de entorpecentes. Esse tipo de fiscalização já é feita em países como Estados Unidos, França e Itália, mas, por aqui, ainda não há prazos para a implantação do “drogômetro”. E a gente seque de olho! 😉

Lupa nos transportes
Outra parceira importante nas fiscalizações de trânsito é a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). Por meio de fiscalizações nos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros, a agência verifica se as empresas cumprem as normas técnicas previstas na legislação. 😊

Ufa, tem muita coisa sendo feita né, pessoal? Ainda bem! E você? Sabe de alguma ação bacana para reduzir acidentes de trânsito no seu Estado, município ou bairro, e quer compartilhar com a gente? Escreva aqui nos comentários! 😉 Juntos vamos mais longe, né? Até a próxima!😊


Continuar lendo

Conheça as novas tecnologias para melhorar a segurança no trânsito

Já imaginou um mundo com carros cada vez mais inteligentes? A indústria automotiva já percebeu essa tendência e têm investido em funcionalidades para melhorar o conforto de quem dirige e, claro, a segurança no trânsito. O resultado foi exibido na edição 2019 do Consumer Electronics Show (CES), em Las Vegas, nos Estados Unidos, a maior feira de tecnologia de consumo do mundo, que foi invadida por novidades para o setor. Para te deixar por dentro de tudo, separamos algumas delas no post de hoje! Vamos conferir? 😉

Câmera de ré translúcida
Um dos destaques da CES 2019 foi o “XtraVue”, mecanismo que permite ao motorista ter uma visão de raio-X do carro e enxergar alguns perigos que não estão à vista. O sistema é composto por um conjunto de câmeras que permitem ver desde um congestionamento à frente para que o condutor opte por mudar de caminho, até enxergar com antecedência uma vaga para estacionar. Para isso, o dispositivo mescla informações de sensores internos e externos dos carros com dados armazenados na nuvem.
Confira o vídeo:

Instrutor virtual
Outro destaque da feira foi o assistente virtual que ajuda o motorista com dicas de condução. O sistema coloca um avatar no banco do passageiro, que é visto por meio de óculos de realidade aumentada. No futuro, a ideia é que um holograma da assistente virtual seja transportado para a cabine do carro. Já pensou? 😮
Confira o vídeo:

Cheiro de acordo com o humor
É isso mesmo! O conceito tem como ideia perceber o que o motorista está sentindo para deixar o ambiente mais agradável e animado. A tecnologia chamada de "Read Motion" faz uma leitura facial, além de considerar os batimentos cardíacos e a temperatura corpórea dos passageiros. A funcionalidade permite que o carro mude o cheiro do ambiente, e até mesmo esquentar ou resfriar a cabine.
Confira o vídeo:

É carro ou smartphone?
O "Digital Cockpit" é um painel totalmente digital para os passageiros do assento traseiro. Assim como faz um smartphone, o sistema pode ser totalmente customizado de acordo com o gosto do usuário. Por meio de câmeras, a inteligência artificial reconhece o passageiro ou motorista, e ajusta os bancos, a temperatura ambiente e até trilha sonora do carro de forma automática.
Confira o vídeo:

O post de hoje mostrou que tem muita gente pensando em soluções para melhorar a nossa experiência no trânsito. E você, o que achou dessas invenções? Compartilhe a sua opinião com a gente aqui nos comentários! 😉





Continuar lendo

Clubes de futebol precisam investir em segurança no trânsito

Por Rodolfo Rizzotto, Coordenador do SOS Estradas

No futebol, não existe cultura de prevenção de acidentes de trânsito, nem mesmo quando o valor do ser humano atrás do volante atinge cifras estratosféricas, como no caso dos craques do esporte.

Recentemente, o jogador da Juventus, da Itália e da seleção brasileira, Douglas Costa, cujo passe é avaliado em mais de R$ 200 milhões, sofreu um acidente grave. Apesar de ter saído praticamente ileso, o ocupante do outro veículo ficou ferido gravemente. No início da carreira, Douglas foi flagrado dirigindo sem habilitação em Porto Alegre, o que não é um bom sinal.

Cristiano Ronaldo também sofreu um acidente há alguns anos e sua Ferrari ficou completamente destruída. Até mesmo jogadores como Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho Gaúcho e Neymar já sofreram acidentes de trânsito que, por sorte, foram de menor gravidade. Há também casos históricos com vítimas fatais, como o ocorrido com Edmundo, ou a trágica morte de Dener, atleta do Vasco e da seleção, considerado, nos anos 90, uma promessa do esporte. Na época, além do drama humano, sua morte também causou um grande prejuízo ao clube. Outros exemplos estão em acidentes de ônibus com jogadores que, além de deixar mortos e feridos nas estradas, deixou alguns atletas inválidos e outros sem conseguir voltar a jogar em alto nível.

O que é impressionante é que nem mesmo atletas como Douglas Costa ou Cristiano Ronaldo, cujo valor dos passes superam as centenas de milhões, recebem orientação do clube ou de seus empresários sobre os cuidados que devem ter como condutores ou passageiros. É comum, por exemplo, assistirmos equipes chegando para os jogos com atletas de seleção e até repórteres famosos festejando e dançando em pé nos ônibus, se esquecendo que uma colisão, mesmo que a baixa velocidade, sem o cinto de segurança, pode tirar um atleta do jogo, da temporada ou até mesmo, da carreira. Por isso, é importante que os clubes invistam em criar atletas conscientes sobre várias questões, afinal, eles serão os ídolos do futuro e exemplo para os jovens.

Cuidar do transporte dos atletas e estimular a cultura de segurança, além de ser uma forma de ajudar na divulgação positiva dos jogadores e do clube, ajuda a preservar o patrimônio dos mesmos. Não podemos esquecer que a segurança no trânsito é um bom negócio e precisa entrar em campo no futebol.



Continuar lendo

Volta às aulas: todo cuidado é pouco no trânsito

O período das férias escolares chegou ao fim e, ao contrário do que muitos pensam, esse também é um período que exige bastante cuidado e atenção no trânsito. Além de te explicar o porquê, vamos dar uma porção de dicas para esse momento. Ficou curioso para conferir? Então, é só continuar acompanhando o nosso post! ;)

Acidentes de trânsito são a principal causa de morte de crianças e adolescentes no Brasil
De acordo com a ONG Criança Segura, atualmente, os acidentes de trânsito são a principal causa de morte de crianças e adolescentes com idades de cinco a 14 anos no Brasil. Todos os anos, cerca de 3,7 mil crianças dessa faixa etária morrem e outras 113 mil são hospitalizadas em consequência de acidentes de trânsito no país. E se a gente te contasse que, ainda de acordo com essa ONG, do total dessas mortes, 36% ocorreram quando as crianças estavam na condição de ocupantes de veículo e 30% foram devido a atropelamentos? A ONG Criança Segura monitora regularmente os dados relacionados a acidentes com crianças que acontecem no Brasil, usando a plataforma de dados do Ministério da Saúde, o Datasus.

Mas por que as crianças e adolescentes estão tão vulneráveis?
Isso acontece porque seus corpos são mais frágeis e ainda estão em desenvolvimento, galera. Devido a pequena estatura, por exemplo, elas não enxergam por cima de carros estacionados e também ficam escondidas do campo de visão dos motoristas. Além disso, o campo de visão dos pequenos é mais estreito que o dos adultos e, por isso, muitas vezes eles não veem um carro se aproximando, sendo incapazes de avaliar corretamente a distância. Isso se torna muito mais relevante quando analisamos o período de volta às aulas, onde, naturalmente, mais crianças circulam pelas ruas, não é mesmo?

O que fazer para mudar essa realidade, especialmente no período de volta às aulas?
A resposta é simples: prevenção. Por isso, para evitar situações de perigo, é preciso redobrar a atenção, diminuindo a velocidade ao se aproximar de escolas, respeitando as leis e a sinalização, além da preferência dos pedestres na faixa. A gente aproveita para reforçar que o cuidado também deve partir dos próprios estudantes, viu? Atitudes simples, mas que fazem toda a diferença, como embarcar e desembarcar sempre pelo lado da calçada, não se distrair com o uso do celular nas ruas, atravessar as vias preferencialmente na faixa de pedestres e menores de 10 anos andarem sempre acompanhados de adultos são alguns dos exemplos.

Ah, para os papais, volta às aulas é o momento de não deixar a gentileza de lado, viu? Que tal, na hora de deixar ou buscar o seu filho na porta da escola, parar o carro um pouco mais distante da entrada e ir a pé para evitar a fila dupla e atrapalhar outros motoristas? Fica a dica! ;)

E aí, gostou do nosso post de hoje? Então, que tal compartilhar com todo mundo que você conhece? Afinal, construir um trânsito mais seguro na volta às aulas é responsabilidade de todos nós! Nos vemos no próximo post aqui do Blog Viver Seguro no Trânsito. Até lá! ;)


Continuar lendo

#DPVATExplica: entenda quais são as diferenças entre a invalidez permanente parcial e total

Responsável por cerca de 70% dos pedidos do Seguro DPVAT, mais de 3 milhões de indenizações foram pagas por invalidez permanente nos últimos dez anos. Mas você sabia que ela pode ser dividida, de acordo com a sua gravidade, entre total e parcial? E, para contar um pouco mais sobre os tipos de invalidez e mais detalhes sobre essa cobertura, preparamos mais uma edição do #DPVATExplica! Confira. ❤

O que é considerado invalidez permanente para fins de indenização do Seguro DPVAT?
A invalidez permanente é a perda ou a redução da funcionalidade de um membro ou órgão. A indenização do Seguro DPVAT pode ser pleiteada quando a sequela é resultado de um acidente causado por veículo automotor de via terrestre e é permanente, galera. Para isso, é preciso que, no momento da alta médica, seja comprovado que a recuperação ou reabilitação da área afetada é inviável. Outra observação importante é que a invalidez permanente pode ser total ou parcial, sendo subdivida em parcial completa ou incompleta, conforme a extensão das perdas anatômicas ou funcionais.

Quais são as diferenças entre invalidez parcial e total?
Os casos de invalidez parcial são aqueles em que o acidentado de trânsito perde ou tem a capacidade de realizar algumas de suas atribuições reduzida, mas nem todas são comprometidas. Os exemplos mais comuns são membros ou órgãos debilitados. Se a vítima, por exemplo, perde a visão de um olho permanentemente após um acidente de trânsito, esta é encaixada como invalidez parcial. Já se, no mesmo acidente, a vítima perder a visão dos dois olhos, a invalidez é considerada total. Lembrando que as sequelas devem ser permanentes, como explicamos aqui em cima!

Como se dá o cálculo do valor da indenização por tipo de invalidez permanente?
Para fins de indenização pelo Seguro DPVAT, o cálculo do valor da indenização por invalidez permanente se dá dependendo da gravidade da lesão, ou seja, se esta é total ou parcial, a partir da tabela prevista na Lei 6.194/74, que instituiu o Seguro. Dessa forma, nos casos de invalidez permanente total, o valor da indenização será de 100% do Limite Máximo de Indenização (LMI) em vigor, ou seja, de R$ 13.500 e, nos casos de invalidez permanente parcial, o valor da indenização corresponderá ao percentual do segmento corporal com perda anatômica/funcional previsto diretamente na tabela sobre o Limite Máximo de Indenização (LMI) em vigor. ;)

Qual a documentação solicitada para dar entrada no pedido?
Assim como nas demais coberturas, o principal documento para dar entrada no pedido de indenização do Seguro DPVAT por invalidez permanente é o Boletim de Ocorrência (B.O), galera. Outro documento importante é o Laudo Conclusivo do IML, que se faz necessário para atestar a invalidez permanente e qualificar o tipo e o grau das lesões físicas ou psíquicas sofridas pela vítima. Você confere as demais documentações no site da Seguradora Líder clicando aqui. Anotou? ;)

E aí, tem alguma dúvida sobre a indenização por invalidez permanente que a gente não abordou aqui em cima? Então, não esquece de deixar para a gente aqui nos comentários. Respondemos rapidinho! ;) Nos vemos na próxima edição do #DPVATExplica!


Continuar lendo

#BonsExemplos: saiba mais sobre o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito

Que tal começarmos o mês com um bom exemplo? Dando continuidade à série aqui no blog, vamos falar sobre o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, iniciativa do Governo do Estado de São Paulo que tem o objetivo de reduzir pela metade o número de acidentes com vítimas fatais até o ano que vem. Confira agora todos os detalhes!

O que é o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito?
Inspirado na Década de Ação pela Segurança no Trânsito (2011-2020), iniciativa da ONU na qual governos de todo o mundo se comprometem a tomar novas medidas para prevenir os acidentes no trânsito, o Governo de São Paulo criou, em 2015, o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito com objetivo de reduzir pela metade o número de vítimas fatais em São Paulo até 2020. Para atingir essa meta e salvar milhares de vidas, o governo intensificou esforços em cinco pilares de atuação: gestão da segurança viária, vias mais seguras, veículos mais seguros, usuários mais conscientes e resposta pós-acidente. E, se você gosta de números assim como a gente, saiba que, desde sua criação, o Movimento ajudou a salvar a vida de cerca de 630 pessoas em todo o Estado de São Paulo. Muito amor envolvido! ♥

Como se dá a atuação do Movimento Paulista?
O Movimento Paulista atua como agente articulador para ampliar o envolvimento de parceiros da sociedade civil e a integração de trabalhos de instituições e empresas privadas que compartilham responsabilidades relacionadas ao tema, como associações de fabricantes de veículos, gestores de rodovias, bancos e seguradoras. Outra vertente bem bacana do programa é que ele age, ainda, por meio da produção de dados e informação de qualidade e da implementação de ações de intervenção direta no sistema viário paulista, com ações para a redução de fatalidades causadas por acidentes de trânsito. \o/♥

Inovação na pauta do Movimento Paulista: saiba mais sobre o Infosiga e Infomapa
Para auxiliar na elaboração de políticas públicas relacionadas à segurança no trânsito, o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito também é responsável pela criação do Infosiga SP, um banco de dados que reúne informações de acidentes de diversas fontes, como Polícia Civil, Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal.

Atualizado mensalmente, o Infosiga SP fornece dados de faixa etária e gênero da vítima, tipo do veículo envolvido e perfil do acidente. Com ele, é possível traçar um diagnóstico mais preciso das características dos acidentes e, assim, planejar e estabelecer políticas públicas mais eficazes de prevenção em benefício de toda a sociedade. Bem legal, não é mesmo? ♥

Mas não para por aí! Outra solução inovadora foi a criação do Infomapa SP, que traz a posição geográfica das ocorrências com vítimas fatais no Estado. Nele é possível ver a localização dos acidentes com automóveis, motocicletas, pedestres, ônibus, caminhões, bicicletas e outros que causaram mortes, com indicações da faixa etária da(s) vítima(s), o período em que aconteceu o acidente (manhã, tarde, noite e madrugada) e o tipo de ocorrência. ♥

Quer conhecer mais sobre o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito? Então, clique aqui para conhecer mais sobre a iniciativa e não esquece de dizer para a gente aqui embaixo nos comentários o que você achou. Esperamos por você! ;)


Continuar lendo

Quais são os custos dos acidentes de trânsito?

Os acidentes de trânsito estão entre as principais causas de morte no mundo, além de serem apontados como um grande problema de saúde pública. No Brasil, especificamente, os acidentes de trânsito geram custos sociais, ambientais, psicológicos e uma alta demanda de leitos hospitalares. E como isso te afeta diretamente? Explicamos tudo no post de hoje. Confere só! ;)

Perdas de R$ 199 bilhões em decorrência de acidentes de trânsito em 2017
Um estudo do Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), da Escola Nacional de Seguros, com base nos indicadores do Seguro DPVAT, revela que os acidentes graves ocorridos no trânsito brasileiro em 2017 provocaram um impacto econômico de R$ 199 bilhões, ou seja, 3,04% do Produto Interno Bruto (PIB).

Esse valor equivale ao que seria gerado pelo trabalho das vítimas, caso os acidentes não tivessem ocorrido. De acordo com os dados do Seguro DPVAT usados no estudo, somente em 2017, os acidentes de trânsito mataram mais de 41 mil pessoas em todo o País e deixaram inválidas de forma permanente, afastando da atividade econômica que exerciam ou poderiam exercer, outras 284 mil. A maior atenção, no entanto, tem que ser dada aos motociclistas: em 2017, a maior parte das indenizações pagas, 74%, foi destinada a eles, apesar desse tipo de veículo representar apenas 27% da frota nacional. A gente nem precisa dizer que isso é bem triste, não é, galera? 

O que o custo dos acidentes de trânsito representa
Na prática, se as despesas de R$ 199 bilhões tivessem sido evitadas, esse montante poderia ter sido empregado em:

  • 22 mil novos hospitais, com 250 leitos, UTI e unidade de traumatismos graves;
  • 570 mil novas escolas;
  • 185 mil quilômetros de novas rodovias;
  • 60 mil quilômetros de novas ferrovias.

Seguro DPVAT em dia, um ato de cidadania
Os acidentes de trânsito impactam bastante a vida pessoal e econômica das pessoas, seja por afastamento do trabalho, perda de renda para a família ou custos com hospitalização. E é nesse ponto que o Seguro DPVAT entra, pessoal: mantê-lo em dia é muito mais do que regularizar o seu veículo, é garantir o amparo de todos os brasileiros no trânsito em caso de morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médico-hospitalares (DAMS), minimizando os custos. Depois dessa, vale sim ou com certeza manter o seu Seguro em dia? ;)

Continuar lendo

#DPVATExplica a diferença entre bilhete e boleto do Seguro DPVAT

Para a grande maioria dos proprietários de veículos do Brasil, os primeiros meses do ano marcam os vencimentos do pagamento do prêmio do Seguro DPVAT. Um dos pontos que pode gerar dúvida na hora da quitação é o custo de R$ 4,15 referente ao “bilhete”, que a gente te conta agora que não tem relação com os conhecidos boletos. Vamos nessa? ;)

Diferença entre boleto e bilhete
Enquanto o boleto é a guia emitida e utilizada para pagamento do Seguro DPVAT, o bilhete é o que formaliza a contratação do Seguro DPVAT e é emitido junto ao Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), aquele que todo proprietário recebe quando o veículo passa pelo licenciamento, procedimento anual e obrigatório que autoriza o veículo a circular livremente pelas vias. ;)

Qual a finalidade do “custo do bilhete”?
O valor de R$ 4,15 do “custo do bilhete” faz parte do valor do Seguro DPVAT e tem como finalidade produzir os formulários de CRV (Certificado de Registro de Veículo) e CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo), emitidos junto ao Bilhete do Seguro DPVAT, e fornecidos a todos os DETRANs. Cabe a cada Estado a personalização (impressão dos dados variáveis, como, por exemplo: o nome do proprietário, marca, modelo do veículo, etc) e a entrega desses documentos aos proprietários de veículo no ato do licenciamento anual. ;)

O que regulamenta esse custo?
O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), que regula os valores do Seguro DPVAT, estabeleceu o valor correspondente ao custo da emissão e da cobrança da apólice ou do bilhete do DPVAT. É importante falarmos também que a emissão e a cobrança da apólice do bilhete, foi fixada inicialmente, em 2009, no valor de R$ 3,90 e reajustada para R$ 4,15 em 2011, por meio da Resolução CNSP 215/2010, que permanece vigente até hoje. ;)

Como faço para emitir o boleto do Seguro DPVAT?
Basta acessar a sessão “Saiba como Pagar” do site da Seguradora Líder, clicando aqui, e conferir a regra de pagamento de acordo com o seu Estado. A gente aproveita para afirmar que não há desconto para pagamento antecipado do Seguro DPVAT, viu? ;)



Continuar lendo

Após 21 anos, 70% das vítimas de acidentes de trânsito ainda morrem sem cinto de segurança

Companheiro indispensável de qualquer saída motorizada, você sabia que a regulamentação da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança completou 21 anos este mês? É isso aí! \o/ Mas você também sabia que, ainda hoje, 70% das vítimas de acidentes de trânsito morrem sem cinto de segurança? Essa triste realidade foi constatada em pesquisa realizada pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP) sobre o uso do cinto de segurança nas rodovias divulgada recentemente e, hoje, vamos te deixar por dentro de todos os detalhes. Confere só!

Um abraço que salva vidas: saiba mais sobre a importância do uso do cinto de segurança
Antes de falarmos sobre a pesquisa, precisamos te contar o porquê o cinto de segurança ser um item indispensável na sua viagem! Você sabia que, em caso de colisão, ele impede que seu corpo se choque contra o volante, painel e para-brisas e que, até mesmo, seja projetado para fora do carro? E se a gente te contasse que, se você não usar o cinto de segurança no banco traseiro, em caso de colisão, poderá ser arremessado sobre o motorista e o carona com uma força 50 vezes maior do que o seu peso? Depois dessas informações, vale sim ou com certeza não esquecer de usar o cinto na próxima vez que entrar em um veículo? ;)

Ausência do cinto traz resultados preocupantes
Lembra da pesquisa da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP), que a gente falou no início desse post? Pois é, além de mostrar que 70% das vítimas de trânsito ainda morrem sem cinto de segurança, ela também trouxe outros números preocupantes, galera. Um deles foi que 53% dos passageiros que viajam no banco traseiro, 15% dos passageiros no banco dianteiro e 13% dos motoristas não usam cinto de segurança. Depois desses resultados, a gente vê que não é à toa que o não uso do cinto está elencado entre os principais fatores de risco à segurança viária no Plano Global da ONU, não é mesmo? :(

Mais de 213 mil multas somente em 2017
Você sabia que a falta do cinto de segurança gerou 213.356 infrações nas rodovias federais em 2017? É isso mesmo, galera. :( Os dados, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), vão além: 143.913 foram pela falta de uso do dispositivo pelo condutor e 69.443 pelos passageiros. A penalidade para o motorista quando um passageiro é flagrado sem o cinto de segurança é a mesma quando o próprio condutor está sem ele: uma infração grave sujeita à multa no valor de R$ 195,23, retenção do veículo até colocação do cinto pelo infrator e 5 pontos na carteira. É bom ficar de olho!

O que está sendo feito para mudar essa realidade?
Como por aqui também falamos de ações de prevenção e educação com o objetivo de conscientizar motoristas, tendo como base os dados do estudo, a ARTESP elaborou uma série de ações educativas. Uma delas foi o desenvolvimento de um simulador de impacto. Ao passar pela experiência do simulador, a pessoa vivenciava a força do impacto de uma batida a 5 km/h e, mesmo com baixa velocidade, o objetivo foi ampliar a sensibilidade para a importância do uso do cinto de segurança. Bem legal! ♥

Continuar lendo

#DPVATExplica: Sabe a diferença entre Seguro DPVAT, IPVA e Licenciamento?

Para que possam andar pelas ruas e estradas desse Brasil com toda a documentação em dia, os proprietários de veículos tem que encarar siglas como DPVAT, IPVA e questões como o licenciamento. Mas vocês sabem a diferença entre cada um deles? Se não, fique ligado aqui que vamos esclarecer cada uma delas no primeiro #DPVATExplica do ano. Estão preparados? Então, vamos nessa! ;)

Seguro DPVAT

O Seguro por Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, também conhecido como DPVAT, é um seguro obrigatório, de responsabilidade da Seguradora Líder, que indeniza vítimas de acidentes de trânsito, envolvendo morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médicas, ocorridos com veículos automotores em todo o território nacional. Ao contrário do que muitos pensam, os calendários do Seguro DPVAT acompanham o vencimento da cota única ou da primeira parcela do IPVA. Somente no caso de veículos isentos desse imposto é que o vencimento acompanhará o momento do licenciamento anual. Anota aí! ;)

IPVA

Já o IPVA, sigla para Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, é um imposto anual recolhido pela Receita Estadual, cotado a partir do preço de mercado do veículo e se aplica apenas para os veículos de circulação terrestre. De responsabilidade da Secretaria de Fazenda de cada estado, a data de pagamento varia de acordo com o dígito final de cada placa e seu preço e porcentagem variam de acordo com o estado correspondente. As únicas semelhanças do IPVA com o Seguro DPVAT estão no pagamento anual e na data do vencimento, já que, como te mostramos aqui em cima, o seguro do acidente de trânsito acompanha a data de vencimento desse imposto. Vale ficar de olho, hein! ;)

Licenciamento

Além do IPVA e do Seguro DPVAT, existe uma outra taxa para a qual os proprietários de veículos devem atentar: é o licenciamento, galera. Procedimento anual e obrigatório que autoriza o veículo a circular livremente pelas vias, ele é de responsabilidade do DETRAN de cada estado e atesta que o automóvel se encontra em conformidade com as normas de segurança e ambiental para o setor automotivo. Ah, e algo muito importante, galera: é no momento do licenciamento que o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV), documento de porte obrigatório, é emitido. E tem mais: o motorista que dirige sem o CRLV, mesmo que tenha quitado o Seguro DPVAT e o IPVA, está sujeito a multa, apreensão do veículo e perda de 3 pontos na CNH. :O

Enquanto o IPVA é um imposto fixo sobre a propriedade do veículo, o Seguro DPVAT é a garantia de proteção em caso de acidentes de trânsito e o licenciamento é uma autorização que garante que seu veículo possa continuar a trafegar livremente pelas ruas e estradas. E aí, conseguiu entender direitinho? Então, que tal compartilhar esse post com todo mundo que você conhece, hein? Esperamos por você aqui embaixo nos comentários. ;)


Continuar lendo

Página 1 de 40
12345678910...