Sign In
Início do conteúdo
​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​Sala de Imprensa​​​​​​

Newsletter​​​​​​

Três Perguntas para Fátima Lima, diretora da Fundación Mapfre

Publicado em segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Newsletter - 11/02/2019 - 68ª Edição

Realizado pela Fundación Mapfre em 13 localidades da cidade de São Paulo, o estudo “Velocidade X Usuários Vulneráveis”, de 2018, identificou que 10,2% dos 3.796 veículos observados estavam em velocidade superior à permitida. As motocicletas responderam por 33% desse tipo de ocorrência. Entre as recomendações do estudo, está a adequação física das vias, a fim de que os condutores respeitem os limites de velocidade fixados, diz Fátima Lima, diretora da Fundación Mapfre. Confira os detalhes da entrevista:

1. Qual a relação entre velocidade e ocorrência de acidentes de trânsito?
O excesso de velocidade é muito nocivo para o trânsito, pois, quanto mais rápido, mais difícil é perceber o perigo a tempo, corrigir os erros e compensar os erros de outros usuários da via. É igualmente mais difícil sair de uma situação de risco quando a visão periférica diminui. Além disso, os outros usuários, particularmente pedestres, têm menos tempo para tomar medidas de precaução. Para se ter ideia dos perigos associados ao excesso de velocidade, o simples aumento da velocidade de 60 km/h para 70 km/h faz aumentar o risco de acidente em 40%. Com o aumento para 80 km/h, o risco dobra. Também não podemos esquecer que, quanto mais rápido estiver o veículo, maior é a distância necessária para a frenagem. Após acionado o pedal de freio, a uma velocidade 40 km/h, o carro precisa de 32 metros para parar; a 120 km/h, precisa de 72 metros. O informe “Seguridad Peatonal”, da Organização Mundial de Saúde (OMS), indica que a probabilidade de morte e lesões graves aumenta significativamente com a velocidade. Em um atropelamento a 80 km/h, a sobrevivência da vítima é muitíssimo pouco provável, enquanto que, a 30 km/h, essa probabilidade é de 95%.

2. É possível identificar que tipo de condutor costuma exceder a velocidade máxima permitida?
A pesquisa “Velocidade e Usuários Vulneráveis”, realizada pela Fundación Mapfre, em outubro de 2018, em 13 diferentes pontos da cidade de São Paulo, apontou que dos 3.796 veículos verificados, 10,2% estavam com algum nível de excesso de velocidade. As motocicletas foram as que mais praticaram velocidades superiores às permitidas na via (33%), seguidas dos ônibus de turismo (28,6%) e dos caminhões de até três eixos (24,4%). Dos automóveis de passeio, maior quantidade de veículos observados, 8,1% estavam em excesso de velocidade.

3. Com base nessas estatísticas, como reduzir o número de acidentes fatais?
O estudo “Velocidade e Usuários Vulneráveis” recomenda que é necessário estudar melhor a adequação das velocidades das vias. Onde há excesso de velocidade, pode-se fazer adequações físicas na via para que os condutores passem a respeitar os limites de velocidade. Também é necessário incrementar ações de conscientização e de sensibilização de condutores e reforçar a fiscalização em áreas com ocorrência de acidentes.

O estudo completo denominado “Velocidade e Usuários Vulneráveis” pode ser acessado, clicando aqui.
Conheça também todos os projetos da Fundación Mapfre em: https://www.fundacionmapfre.com.br/




​Mais artigos​