Sign In
Início do conteúdo
​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​Sala de Imprensa​​​​​​

Newsletter​​​​​​

Três perguntas para Paula Abreu, gerente de negócios da divisão de Segurança no Trânsito da 3M do Brasil.

Publicado em segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Newsletter - 07/10/2019 - 101ª Edição

A busca de soluções para um trânsito mais seguro tem gerado uma série de iniciativas por parte da sociedade civil, incluindo empresas, que somam esforços a políticas desenvolvidas pelo Poder Público e outras entidades para salvar vidas. É o caso da 3M do Brasil, que desenvolve o programa 3M Mobiliza, que até o momento já treinou mais de 1.500 profissionais de cerca de 40 entidades do setor de segurança viária e veicular, em mais de 20 cidades. “É muito bom verificar entidades públicas e privadas, antes pouco explícitas na defesa das vidas no trânsito, trazerem para seus discursos a importância da segurança viária, como forma de respeito ao usuário das vias”, diz Paula Abreu, gerente de negócios da divisão de Segurança no Trânsito da 3M do Brasil. Segundo ela, isso "é uma mudança de paradigma, de “status quo”, perseguir uma visão mais humana, conciliada a identificação de investimentos que entregam ótima relação de custo-benefício, também sob o ponto de vista econômico-financeiro”. Confira a entrevista.

Em que consiste a iniciativa 3M Mobiliza?

O 3M Mobiliza é a forma de a 3M contribuir para a conscientização e tomada de responsabilidade dos agentes profissionais do setor de transporte em suas decisões cotidianas, enfatizando o necessário foco em salvar vidas no trânsito. É uma iniciativa que estimula o debate e a concepção de soluções possíveis e reais para contribuir efetivamente para melhorar o trânsito brasileiro.

Desde a implantação, quais são os resultados do programa?

O principal resultado do programa é intangível num primeiro momento. Foi colocada na pauta do setor a importância de as decisões precisarem ser voltadas para salvar vidas no trânsito. É muito bom verificar entidades públicas e privadas, antes pouco explícitas na defesa das vidas no trânsito, trazerem para seus discursos a importância da segurança viária, como forma de respeito ao usuário das vias. Num segundo momento já vemos que investimentos do setor vêm colocando o tema de salvar vidas no trânsito como foco de seus programas. É uma mudança de paradigma, de “status quo” – perseguir uma visão mais humana, conciliada por identificação de investimentos que entregam ótima relação de custo-benefício, também sob o ponto de vista econômico-financeiro. Até o momento, a empresa já treinou mais de 1.500 profissionais de cerca de 40 entidades do setor de segurança viária e veicular, em mais de 20 cidades.

O que é necessário para tornar o trânsito menos violento e reduzir o número de acidentes fatais no país?

São inúmeras as prescrições que poderíamos levantar nesse sentido. Contudo, acreditamos que sensibilizar e conscientizar nossos parceiros, entidades setoriais e órgãos públicos sobre a gravidade do cenário de mortalidade no trânsito no país, e sobre a capacidade que cada um possui para melhorar as condições do trânsito no Brasil seja o primeiro e fundamental passo para auxiliar a tornar o trânsito mais seguro. É preciso que a sociedade encontre um piso para a tomada de risco em questões de prevenção de acidentes e também na qualidade de produtos e serviços aplicados nas vias. Não é qualquer coisa que servirá para a proteção efetiva do usuário. Uma geometria de via adequada, um pavimento bom, uma sinalização presente e de qualidade, dentre outros, podem e devem ser implementados para criar um contexto de contenção de risco. Ademais, simplesmente há riscos que não devem ser corridos. Ou alguém acha prudente saltar de avião sem paraquedas? Pode ser mais barato cortar o paraquedas do kit de primeiro socorros do avião, mas é um risco alto de morte, caso ocorra um acidente – ainda que sua probabilidade de ocorrência seja baixa. O mesmo acontece para o trânsito. Não deveríamos correr riscos desnecessários quando o assunto são vidas.

Para saber mais sobre o projeto 3M Mobiliza, acesse o site.


​Mais artigos​